Plantas Que Curam - O seu guia de Plantas Medicinais na Internet

Babosa Medicinal

Aloe vera

Descrição : Planta da família das Liliaceae, também conhecida como aloé vulgaris, aloé barbadensis, caraguatá, erva babosa, aloé perfoliata, babosa-de-botica, babosa-folha-miúda, babosa-de-jardim, caraguatá-de-jardim. Aloes (latim), aloe (inglês, italiano), áloe (espanhol), aloés (francês). Herbácea que atinge até 60 centímentros de altura, de folhas carnosas, alongadas, com espinhos e com final de pontas agudas. Existem espécies que apresentam flores amarelas. A reprodução é feita por estolões ou mudas que crescem na base da planta, e o plantio pode ocorer o ano todo. O solo deve ser argiloso, com muito sol, o clima seco, com pouca agua no inverno.

Parte utilizada: Seiva das folhas.

Modo de Conservar : Cortar as folhas frescas na base e colocar em um recipiente para escorrer o suco amarelo, que deve ser seco ao sol. Durante a secagem, a sua cor se alterade amarelo para vermelhor e finalmente escura, quando seco. O bloco formado deve se armazenado em vidros fechados. Após a extração do suco amarelo, retira-se a casca da folha e sua polpabranca deve ser fatiada e colocada em uma vasilha de louça ou vidro, guardar ao abrigo da luz solar, calor, pó e umidade, ou em geladeira.

Origem : Regiões de climas quentes e áridos da América, África do norte e do sul e do sul da europa. É encontrada também nas Ilhas Barbados. Nasce esponaneamente em várias regiões do Brasil, preferindo o clima quente.

Plantio : Multiplicação: semente ou estaquia dos rizomas (mudas); Cultivo: originária da África e Ásia. Prefere clima quente e úmido, solos arenoargilosos, arejados e com relativa matéria orgânica. Não suporta excesso de água, por isso a irrigação deve ser moderada; Colheita: as folhas são colhidas à noite.

Princípios Ativos: Polissacárido (glucose); prostaglandinas (ácidos gordos cíclicos e oxigenados); outros ácidos gordos (gama-linoleico); prostaglandinas; enzimas (amilase); antraquinonas (aloína); aminoácidos essenciais (lisina, isoleucina, fenilanina, valina, leucina, mettionina, triptofano e teonina); aminoácidos não essenciais (acido aspartico, ácidoglutâmico, alanna, prolina, histidina, serina, glicina, arginina, tirosina); vitaminas (vitaminas A, B1, B5, B6, B12, C, E); sais minerais (cálcio, fósforo, cobre, ferro, magnésio, manganês, potássio, sódio, titânio, zinco, iodo, enxofre, níquel, boro). Barbalodina; aloquinodina; emodina; aloetina; ácido pícrico; resinas.

Propriedades medicinais: Adstringente, anestésica, anticancerígena, anti-hemorrágica, antiinflamatório, antioftálmica, antí-pruritico, anti-séptica, antitóxico, bactericida, cicatrizante, colerética, dilatadora capilar, emoliente, estimulante granulatório, fungicida, hidratante, limpador natural, proteolítico, virucida, vulnerária.

Indicações: A babosa é muito boa para o cabelo no tratamento da seborréia e também a acne, alopecia, aids, anemia, arteriosclerose, artrite, colite, constipação, cancro (de pele, digestivo e do cólon), dermatite, disenteria, doenças dos olhos, dor de cabeça, dor muscular, erupção cutânea, esclerose múlipla, estimulante do crescimento, ferimentos externos, gripe, hipertensão, hidratar a pele, infecção de pele, inflamação em geral, inflamação intestinal, insônia, pé de atleta, problema digestivo, queda de cabelo, queimaduras do sol e do fogo, reumatismo, rins, tuberculose, úlceras pépticas e estomacais.

Babosa Caraguatá

Contra-indicações/cuidados: Uso interno para crianças, mulheres grávidas, que amamentam, no período da menstruação (provoca congestionamento dos órgãos pélvicos), com inflamações uterinas e ovarianas, predisposição ao aborto, também para aqueles que sofrem de hemorróidas, fissuras anais, cálculos da bexiga, varizes, afecções renais, enterocolites, apendicites, prostatites, cistites, disenterias, nas nefritese. Ter cautela no uso interno, pois em doses acima do normal podem provocar nefrites. O uso externo deve ser preferido. O uso externo da polpa ocasionalmente pode ressecar excessivamente a pele, neste caso é também contra-indicada para tratamento de doenças cutâneas. - Ocasionalmente dores abdominais, fortes diarréias (que os defensores do uso afirmam ser o “efeito limpeza”) e, em doses elevadas, pode causar inflamação nos rins. - O uso interno prolongado provoca hipocalemia, diminui a sensibilidade do intestino, necessitando aumento gradativo da dose, ocasionando o surgimento de hemorróidas. Pode causar irritação dérmica e ocular, além de intoxicação aguda, podendo levar à morte. 8 g do pó pode até levar a morte. - Em doses elevadas podem ocorrer desmaios, hipotensão, hipotermia e nefrite.

VEJA TAMBÉM EM NOSSO SITE :

Receita Caseira de Banha do Assento do Chá da Babosa.

Formulação Caseira da Resina da Babosa.

Modo de usar:

- Folha; seiva e polpa: queimadura, antioftálmica, entorse, contusão, retite, hemorróida, dor reumática, queda de cabelo.

- resina, polpa, tintura e suco das folhas: antiinflamatória; analgésica; anti-séptica; emoliente; adstringente; colerética; vulnerária e anticancerígena.

Uso interno:

- suco fresco: anti-helmíntico; - resina (deixa-se as folhas penduradas com a base cortada para baixo por 1 ou 2 dias, esse sumo é seco ao fogo ou ao sol. Quando bem seco, pode ser transformado em pó): 0,1 a 0,2 g dissolvido em água com açúcar, como laxante;

Uso externo: - cataplasma 3 vezes ao dia: queimadura; - supositório: retite, hemorróida; - tintura (50 g de folhas descascadas, trituradas com 250 ml de álcool e 250 ml de água. Coar em seguida): usar em compressas e massagens nas contusão; entorse, dor reumática.




Indique nosso site para um amigo.