Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

BUCHINHA DO NORTE

Luffa operculata

Descrição : Planta da família das Cucurbitaceae, também conhecida como cabacinha, buchinha, bucha dos paulistas, purga de João Pais, abobrinha do norte, abobrinha do mato, bucha dos caçadores, purga de bicho, purga de bucha, purga de alope, endoço, bucha dos pescadores, purga dos paulistas, bucha do norte, capa de bode, buchinha do nordeste.

É uma trepadeira de caule com 5 anguloso, gavinhas simples ou bífidas, compridas e vilosas. Folhas longo pecioladas, cordiformes ou reniformes, angulosas ou lobadas (de 3 à 5 lobos), um pouco ásperas.

Flores amarelas, campanuladas, pequenas, axilares. Frutos ovoides, moles, pequenos, ásperos e com pequenas nervuras ou saliências espinescentes e seriados.

Sementes compridas, lisas, com as margens regulares, sem alas.

Parte utilizada : Fruto Seco.

Plantio :

Multiplicação: reproduz-se por sementes;

Cultivo: em solos arenosos e secos;

Colheita: colhem-se as buchinhas quando maduras.

Habitat: E cultivada em vários países de clima quente, com fins medicinais.

É erva uma invasora e daninha, aparecendo em pastos e terrenos baldios em quase todo o pais.

História: Planta de uso popular, encontrada em mateiros e raizeiros, feiras livres, lojas de produtos naturais e algumas farmácias costuma ser usada como abortiva, com resultados perigosos devido a sua toxidade. Jamais deveria ser usada por leigos, mas sendo espontânea em várias regiões, é impossível controlar seu uso.

Somente o esclarecimento poderá colocá-la no seu devido lugar - planta de uso restrito, sob a supervisão de profissionais gabaritados.

Origem : A buchinha é originária da América do Sul, e nativa no Brasil.

Principal uso : A aspiração do infuso aquoso dos frutos há muito tempo tem sido utilizada empiricamente contra a rinite e a sinusite. Porém, existem muitos relatos da ocorrência de hemorragias nasais após estas aspirações, resguardando seu uso. Entretanto, não foi da utilização desta planta no tratamento da sinusite que resultaram as intoxicações atendidas no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Neste, todas as ocorrências relacionadas à buchinha tiveram como vítimas mulheres, entre 16 e 25 anos, que ingeriram quantidades variáveis de chás preparados com os frutos, na tentativa de causar aborto.

Um caso de óbito foi registrado. São poucos os relatos na literatura referentes a intoxicações por esta espécie. Os que existem fazem alusões a intoxicações experimentais em animais. O mecanismo de ação do vegetal não está esclarecido e ainda existem dúvidas sobre o princípio causador do quadro toxicológico.

Principais Propriedades :

Das espécies Luffa acutangula Roxb., L. cylindrica (L.) Roem. e L. aegyptiaca Mill. foram isoladas glicoproteínas com ações inibidoras da síntese proteica, embriotóxicas e abortivas, propriedades estas demonstradas em animais de laboratório (Ngai et al. 1992a, 1992b e 1993 apud Schenkel et al., 2001).

Da espécie L. operculata propriamente dita, não há experimentos específicos com o objetivo de elucidar a ação abortiva do fruto. O trabalho mais significante foi realizado por Matos & Gottlieb em 1967. Neste, os autores isolaram do extrato aquoso do fruto um princípio amargo denominado isocucurbitacina B. As cucurbitacinas são esteróides resultantes da oxidação de triterpenos tetracíclicos e estão largamente distribuídas na família Cucurbitaceae.

Para estas substâncias as atividades biológicas descritas na literatura são ações descongestionantes, laxativas, hemolíticas, embriotóxicas e abortivas. Recentemente trabalhos sobre o efeito necrótico destas substâncias em tumores estão sendo publicados. Assim, em virtude da série de relatos confirmando a toxicidade das cucurbitacinas, admite-se que a isocucurbitacina B seja o princípio tóxico de L. operculata.

Toxicologia : Nos casos descritos de intoxicação os sintomas apareceram cerca de 24 horas após a ingestão do chá. Náuseas, vômitos, dores abdominais e dores de cabeça são os sintomas primários, subsequentemente advêm hemorragias, podendo ocorrer o coma e a morte. Para o tratamento são recomendados apenas a administração de carvão ativado, e tratamento sintomático para distúrbios gastrintestinais.

Princípios Ativos: M-carboxifenil alaunina, cucurbitacina B, isocucurbitacina B, cucurbitacina D, gipsogenina e luperosídeos A, B, C, D, E, F, g e H. Os frutos contém um princípio amargo chamado buchinina.

Propriedades medicinais: Descongestionante, drástico, laxante.

Frutos: emenagogos, vermífugos, drásticos, vomitivos, hidragogos, anti-herpéticos, purgativos, expectorantes, anti-sinusíticos, esternutatórios, descongestionantes nasais, adstringentes, antidiabéticos e antissépticos.

Sementes: anti-helmíntico.

Indicações: rinite, ameba, herpes, sinusite, amenorreia, ascite, inflamações gênitourinárias e oftálmicas, hematomas, úlceras, feridas, hidropisia, clorose.

Contraindicações/cuidados: Indicada para sinusites e rinites é para ser utilizada apenas para uso externo nasal. Jamais deve ser fervida pois suas substâncias de princípio ativo têm característica cáustica sobre a mucosa nasal, podendo provocar hemorragias e danos a mucosa.

Efeitos colaterais: Dose elevada irrita mucosa e em uso interno é hemorrágica. Provoca náuseas, cólica, fortes dejeções.

Superdosagem: Como e uma planta ainda não estudada convenientemente, e difícil estabelecer um limite entre suas dosagens terapêuticas e tóxicas. Sabe-se que seu uso prolongado pode levar também a alterações do fígado e da função renal. Em caso de ingestão deve-se proceder as medidas usuais - lavagem estomacal, sonda nasogástrica e tratamento sintomático das reações apresentadas. Em caso de reações alérgicas e fotodermite por uso externo, o tratamento deverá ser sintomático e proporcional a reação apresentada.

Buchinha do Norte - Fruto
Buchinha do Norte - Viedades Buchinhja do Norte FLor Buchinha do Norte Semente

Modo de usar:

- Colutório (para sinusite): 1 colher das de café de cloreto de sódio puro em uma xícara das de chá de água. Descascar a buchinha e retirar um pedaço fino com 1 cm 2 de área e colocar na solução salina. Deixar e maceração por 5 dias e coar. Pingar 1 a 2 gotas nas narinas de manhã e à noite. Não assoar o nariz; deixar que o fluxo escorra naturalmente. Repetir até no máximo 5 dias.

- Colutório (outra receita): ferver 1 g do fruto em água. Esfriar e pingar uma gota na narina. - Cortar a buchinha em 4 fatias, deixar uma das fatias de molho em água mineral por uma noite. Na manhã seguinte, gotejar esta água nas fossas nasais, 2 vezes ao dia e inspirar profundamente.

Farmacologia: Há relatos de seus possíveis efeitos medicinais mas não foram encontrados estudos comprobatórios de sua eficácia para estas indicações; Frutos: emenagogos, vermífugos, drásticos, eméticos, hidragogos, antiherpeticos, purgativos, expectorantes, anti-sinusite, descongestionante nasal, adstringente, antidiabeticos e anti-septicos; Sementes: antihelmiticas; Ressaltamos que em função de sua elevada toxidade, só o uso em sinusites, com o devido acompanhamento, poderá ser tolerado.

Talvéz isso possa lhê interessar :

Trate a sinusite com a buchinha do norte (Luffa operculata)

RISCOS DO USO DA BUCHINHA-DO-NORTE COMO ABORTIVO

Efeitos da Luffa operculata sobre o epitélio do palato de rã: aspectos histológicos




Nosso site é um serviço oferecido de forma gratuita, mais se caso você desejar contribuir com nosso trabalho, pode fazer uma doação pelo sistema pagseguro do Universo On-line.