Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

CAMOMILA COMUM

Chamomilla recutita

A camomila comum é uma das variedades do gênero chamomila, tendo como principal característica o forte aroma. Muito recomendada para problemas de pele e bucais.

Descrição : Da família das Asteraceae, também conhecida como Camomila-alemã, camomila-comum, camomila-da-alemanha, camomila-dos-alemães, camomila-legítima, camomilinha, camomila-vulgar, macela, margaça-das-boticas, maçanilha, manssanilha, marcela-galega, matricária.

Herbácea anual, aromática, de caule ereto, de 20 a 50 cm de altura, muito ramificada e pouco resistente. As folhas são alternas, estreitas e divididas em segmentos numerosos. Os capítulos florais, que são um conjunto de flores tão estreitamente agrupadas, parecem constituir uma flor, têm a tonalidade amarela, sendo as centrais hermafroditas e as da periferia femininas, de cor branca.

O Fruto é um aquênio pequeno, esverdeado, liso e sem papilho. Nasce espontaneamente junto às estradas, campos desertos e zonas agrícolas.

O traço mais característico dessa planta é o intenso aroma que exala de todas as suas partes.

Parte utilizada: Capítulos florais secos.

Origem : Sul da Europa e ásia ocidental. Em São Paulo é cultivada como ornamental, mas já existe cultura em larga escala em algumas regiões.

O cultivo da camomila comum.

Plantio : Reproduz-se por semente e tem um bom desenvolvimento em clima temperado. Adapta-se a qualquer tipo de solo, mas tem preferência por solos ricos em matéria orgânica, férteis, frescos, bem drenados, leves e com boa exposição ao sol.

No Brasil o cultivo pode ser feito em março e setembro, desde que receba muito água. A semeadura, de preferência, deve ocorrer nos meses de março e abril. A colheita pode ser efetuada três meses após a semeadura.

Modo de Conservar : Os capítulos florais devem ser colhidos antes da sua abertura completa e secos à sombra, em ambiente arejado, com calor de 40C. Os melhores são aqueles que não vêm acompanhados de folhas ou pedúnculo floral. Quando secos devem ser conservados em recipientes de vidro semiabertos e longe da umidade.

Para que serve a camomila comum.

Propriedades medicinais: anti-inflamatória tópica, antinevrálgica, antiespasmódica, analgésica, aperiente, antisséptica, antiasmática, antirreumática, antigripal, anti-hemorroidária, antidispéptica, antialérgica, anti-histérica, calmante, carminativa, cicatrizante, desinfetante, emenagoga, emética, emoliente, estomáquica, eupéptica, maturativa, protetora solar, vermífuga, sedativa suave, sudorífica, tônica.

Indicações: Afecções de pele (pústulas e fístulas), afecções nervosas, afta, assaduras, cefalalgias, ciática, cistites, cólicas em geral, diarreia infantil, doenças do útero e do ovário, embaraços gástricos, enjoos, estomatite, enxaquecas, feridas, gengivite, gota, indigestões, inflamações oftálmicas, insônia, inapetência, lumbago, mialgias, náuseas, oftalmias, queimaduras de sol, úlceras.

Cuidados a serem tomados no uso da camomila.

Contraindicações/cuidados: Grávidas ou em lactação; compromete a eficácia de radiografia. Pode ocorrer rinite alérgica em pessoas sensíveis à camomila.

Efeitos colaterais: Reações alérgicas a camomila são geralmente relatadas. As reações de hipersensibilidade incluem a anafilaxia, dermatite, mal-estargastrintestinal, lacrimejação e espirros.

Em grandes quantidades, o miolo da flor seco pode ser emetogenico. A anafilaxia resultante de líquidos contendo camomila usados em enemas foi documentada, assim também como a conjuntivite alérgica causada por colírios contendo camomila; E suposto que as manifestações alérgicas sejam dependentes da rota da ingestão.

A asma, a cólica intestinal, a diarreia, e o vômito são relativos ao uso oral, através do chá, a alergia pela inalação do óleo essencial manifesta-se predominantente como asma. Uma reatividade cruzada e relatada entre os pessoas alérgicas a carpineira, ao gênero áster, aos crisântemos, e aos outros membros da família do Asteraceae.

Toxicologia: A toxicidade do bisabolol foi baixa após a administração oral em animais, com DL50 agudo de aproximadamente 15 mUkg em ratos e camundongos. Em um estudo de 4 semanas de toxicidade subaguda, a administração de bisabolol (1 a 2 ml/kg) aos ratos não causou nenhuma toxicidade. Nenhuma anomalia de desenvolvimento ou efeito teratogênico observada em ratos e coelhos apos a administração crônica de 1 ml/kg de bisabolol.

Modo de usar:

infusão : - 3%; 50 a 200ml/dia (uso interno); 5% (uso externo) - 5 g do pó por litro. - 10 a 15 g de flores em 1 litro de água fervente. Esfriar e coar. Tomar 3 a 4 xícaras de chá ao dia. Para combater afecções bucais, fazer bochechos com o infuso. Uma colher das de sopa de flores em 1 caneca de água quente. Abafar por 10 minutos. Tomar 3 xícaras das de chá ao dia (digestivo, sedativo e emenagogo).

Compressa ou ablução anal: para hemorróidas

Pó: 2 a 6g/dia. Tintura: 10 a 30ml/dia.

Elixir, vinho e xarope : 40 a 120ml/dia.

Vinho: macerar por 5 dias 3 xícaras das de chá de flores em 1 litro de vinho branco, agitando 1 vez ao dia. Coar e tomar 1 cálice 3 vezes ao dia, iniciando uma semana antes da data prevista para a menstruação (emenagogo).

Loção: deixar em banho-maria durante 3 horas 1 xícara das de café de flores em 1 copo de azeite. Coar e aplicar topicamente sobre assaduras e queimaduras do sol. Pode ser também usado topicamente em dores de ouvido e nevralgia.

Aromaterapia : Trabalha o desapego e a independência.

flor da camomila
camomila ou maçanilha camomila - flores pé de camomila

VEJA TAMBÉM EM NOSSO SITE :

Receita de chá de camomila.

Receita de chá de erva doce com camomila.

Receita de chá de erva cidreira com camomila.

Como fazer um banho de assento do chá da camomila.

Assepsia do chá da camomila coma a açafroa.

Receita de chá de camomila com laranjeira.

Receita de vapor do chá da camomila.

Banho terapêutico com chá de camomila.

Um vinho medicinal feito da camomila.

Princípios Ativos: Camazuleno (27,2%), a-bisabolol (anti-inflamatório: 11,2%), matricina, cumarina, esteróides, heterosídeos, ácidos graxos e salicílico, vitamina C; Terpenóides: antemol, azuleno, bisaboleno, b-bisaboleno, a-bisabolol, a-bisabololóxido A, a-bisabololóxido B, a-bisabololóxido C, a-bisaboloneóxido A, borneol, b-bourdeno, a-cadineno, calameno, canfeno, 3-careno, B-cariofileno, cis-cariofileno, cariofilenepóxido, camazuleno, camomilol, 1,8-cineole, a-copaeno, B-copaeno, a-cubebeno, r-cimeno, 3-deidronobilina, a-r-dimetilisterina, 3-epinobilina, 1,10-epoxinobilina, eucanabinolida, farneseno, trans-a-farneseno, trans-b-farneseno, farnesol, germacreno-D, guaiazuleno (1,4-dimetil-7-isopropiazuleno), humuleno, hidróxisonobilina, limoneno, lactona sesquiterpena linear, matricarina, matricina, a-muroleno, b-mirceno, mirtenal, mirtenol, nerulidol, nobilina, a-pineno, b-pineno, pinocamfona, a-trans-pinocarveol, a-trans-pinocarvone, sabineno, b-selineno, esfatulenol, a-terpineno, turjone, xantoxilina; flavonoides: apigenina, apigenina-7-(6’’-o-acetilato) glucosídeo, apigenina-7-apiosigluosídeo (apiína), apigenina-7-glucosídeo (2’’,3’’)-diacetato, apigenina-7-glucosídeo (apigetrina), apigenina-7-glucosídeo(3’’,4’’)-diacetato, axilarina, crisoeriol, crisoeriol-7-glucosídeo, crisoplenol, crisosplentina, 6,7-dimetóxiquercetina, 6-3-dimetóxiquercetina, eupaletina, eupatoletina, 6-hidróxi-luteolina-7-glucosídeo, isoarmnetina, isoarmnetina-7-glucosídeo, jaceidina, caempferol, ‘Lipophiles flavon’, luteolina, luteolina-4’-glucosídeo, luteolina-7-glucosídeo, luteolina-7-ramnoglucosídeo, 6-metóxi-caempferol, patuletina, patuletina-7-glucosídeo, quercetagetina-3,5,6,7,3’,4’hexametil, quercetagetina-3,6,7,3’4’pentametil, quercetagetina 3,6,7,3’ tetrametil, quercetina, quercetina-3-galactotosídeo (hiperina, hiperosídeo), quercetina-7-glucosídeo (quercimeritrina), quercetina-3-rutinosídeo (rutina), quercetrina, espinacetina. Ácidos orgânicos: aminoácidos, ácido antêmico, ácido ascórbico, bornil acetato, (-)-butano- 1,3-dil-1-(|Z|-2’-metil-2’-butenoato)-3-isobutirato, n-butanol, butil angelato, ácido cáprico, ácido caprílico, carotonacetonas homólogas, tanino catequina, éster camomila I, éster camomila II, ácido clorogênico, colina, vermelho aldeído crimson, b-damascenona, éster dihidromatricana, cis-en-yn-dicicloéter, ácido 2,4-dihidroxibezóico, (ácido siríngico), 2,5-dihidroxibenzóico (ácido gentísico), ácido 2,3-D-dihidroxicinâmico(ácido antenóblico), ácido 3,4-D-dihidroxicinâmico (ácido cafêico), e-1-(2,6-dimetilfenil)-2-butano-1, epicatecol, benzoato etílico, decanoato etílico, palmitato etílico, etil fenilacetato, ácido ferúlico, frutose, furfurol, 5-(3-furil)2-metil-1-pentano-3-ol (lepalol), 5-(3-furil)2-metil-1-pentano-3 (lepalona), galactose, ácido gálico, tanino, geraniol, glicose, herniarina, hexilacetato, hexilbutirato, hidrocarbonatos, ácido benzóico 4-hidroxi-3-metoxi (ácido vanílico), ácido 3-hidroxi-4-metoxicinâmico (ácido isoferúlico), ácido 3-(2-hidroxifenil)-2-propenóico (ácido o- cumárico), ácido 3-(4-hidroxifenil)-2 propenóico (ácido-r-cumárico), ácido 3-hidróxi-2-metilideno (ácido butírico angelato), angelato isoamil (isopentil), isoamil butirato, isobutil isobutirato, isobutil isovalenianato, isobutil-2-metilbutirato, 4-isopropenil benzaldeído, 4-isopropenil tolueno, 5-isopropil-2-propil-2-ciclohexeno-1, 5-isopropil-2-propil-2-ciclohexeno-1, ácido linoleico, ácido málico, ácido metacrílico e ésteres, ácido 4-metoxibenzóico (ácido anísico), 3-metilamil angelato, 2-metilbutil butirato, a-metilbutil isobutirato, 2-metilbutil-2-metilburato, 2-metilbutil-2-metil propionato, 3-metilideno-4-oxipentil angelato, 2-metilidenopropano-1,3 dil-1-|z|-2’metil-2’-butenoato-3-isobutirato, 2-metil-2-propil angelato, 2-metilpropil butirato, 2-metilpropil 2-metil butirato, 2-metilpropil 3-metil butirato, niacina, ácido oleico, ácido palmítico, ácido péctico, ácido fenólico, álcool perílico, poliacetileno, polissacarídeos, propil angelato, ramnose, ácido salisílico, 7-glucosídeo escopoletina, escopoletol, ácido sinápico, tanino, taraxasterol, tiamina, ácido tíglico e ésteres, triacontano, umbeliferona, xilose (91), ácido dihidrocinâmico, cerótico oleico e linólico, colina, inositose, fitorina, matérias resinosas e pépticas (341) e apigenina (3 a 9%), que se desdobra, por hidrólise, em apigetina; glicose.


Dieta  de 21 dias