Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail

CORDÃO DE SÃO FRANCISCO

Leonotis nepetaefolia

Descrição : Planta da família das Lamiaceae, também conhecida como cordão-de-frade, rubim, pau-de-praga, cordão-de-frade-verdadeiro, cordão-de-frade-pequeno, cauda-de-leão, tolonga.

É uma erva anual e sublenhosa de caule quadrangular aveludado pubescente, medindo até 2m de altura, simples ou ramificado, com folhas ovadas até ovado-deltóides, opostas, cuneadas ou subcordiformes na base, finalmente crenadas de 4 a 12cm de comprimento, suas flores são pediceladas, de 25mm com cálice pulverulento e corola bilabiada, vermelha ou roxa, ou ainda laranja amarelo, manchadas, e dispostas em racimos densos, verticilados, de 5 a 6cm de diâmetro.

Existe a lenda de que clareia a roupa. Outra lenda diz que acompanha o homem. Só vegeta onde o homem vive ao seu redor.

Uma outra espécie (Leucas martinicensis, R. Br.) é também planta anual, de caule herbáceo, ereto até 130m de altura, geralmente ramoso, denso pubescente, com ramos obtuso quadrangulares, pilosos e profundamente sulcados. Suas flores são sésseis, brancacentas e vilosas, de cálice bi labiado, dispostas em verticilos axilar globosos, distanciados, multiflores. É perfumada, tônica e antispasmódica, sendo também empregada nas nevralgias. Muito usada contra os tumores, o seu cosimento é recomendado no tratamento do reumatismo gotoso e articular agudo, segundo Caminhoã. A infusão de suas folhas constitui remédio carminativo e sudorífico.

Partes utilizadas : Planta inteira.

História: Tem a particularidade de só aparecer onde moram os seres humanos ou onde eles já moraram.

Habitat: É natural da Africa e da Índia, estando aclimatada e aparecendo em quase todo o território brasileiro, especialmente no litoral, em solos cultivados, terrenos baldios, lugares abertos e secos.

Propriedades medicinais: Balsâmico, cicatrizante, diurético, estomacal, expectorante, tônico.

Indicações: aborto, ácido úrico, afecção respiratória (asma, tosse, bronquite, catarro), anemia, dor de contusão, espasmo, febre, fraqueza geral, limpeza de úlcera e ferida, ação gástrica, reumatismo. 

Princípios ativos:As espécies indianas apresentam: Lactonas sesquiter-penicas: leonitina, trimetoxicumarinas; Os princípios ativos da espécie nativa são pouco conhecidos, mas suas indicações são comuns e provavelmente seus Princípios ativos também.

Contraindicações/cuidados: Evitar seu uso em pacientes com distúrbios da coagulação sanguínea.

Efeitos colaterais: Seu uso prolongado pode causar hemorragias.

Posologia: Adultos: 5 a 25ml de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluídos em água; 3g de erva seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) de planta inteira em decocto ou 5g de erva fresca (1 colher de sopa para cada xícara de água) em infuso até 3 vezes ao dia, com intervalos menores que 12hs, para todas as indicações; Banho de 50g de planta para 11 de água em infuso, para a debilidade de crianças e compressas em dores; Extrato fluido: 1 a 5ml aos dia: Pó da planta seca, aplicado topicamente em feridas; Crianças: tomam de 1 /6 a 1/2 dose de acordo com a idade.

Cordão de São francisco