Plantas Que Curam - O seu guia de Plantas Medicinais na Internet

CIPÓ MIL HOMENS

Aristolochia esperanzae

Descrição : Planta da família das Aristolochiaceae, também conhecida como cipó-buta, papo-de-perú, jarrinha, buta, pfeifenwinde, pipe vine. áumas 50 espécies com os mesmos nomes populares. Planta que cresce apoiada nas árvores vizinhas, caules com sulcos revestidos de espessa casca. Folhas em foam de coração ou semelhantes a um rim. Flores amarelo-claras e muito frandes. O fruto é constituido por cápsulas de 1o centímetros de comprimento.

Parte utilizada: Raiz.

Habitat: Brasil, das Guianas ate Minas Gerais e São Paulo.

História: A familia contêm mais de 400 espécies, sendo usadas cerca de 50, medicinalmente desde a antiguidade, por diversos sistemas medicos tradicionais: oriental, árabe e greco-romano. O nome aristoloquia deriva de seu uso na indução de partos feito pela escola hipocratica - aristos bom e loquios parto. As variedades americanas sao volúveis e as européias são eretas, mas seu centra vegetative e a América do Sul tropical; Em todo o interior do Brasil e empregado o extrato fresco como anti-ofidico, porem não ha pesquisas que comprovem tal indicação.

Princípios Ativos: Alcalóides, flavonóides, glicosídeos, óleo essencial (aristoloquina ou ácido aristoláquico), taninos.

Indicações: Cólica, estômago, rim, fígado, coração, febre, raiz contra picada de cobra.

Contra-indicações/cuidados: Usar sob orientação médica. Não deve ser usada durante a gravidez.

Efeitos colaterais: É abortiva. Alguns dizem que o uso pode provocar câncer.

Modo de usar: Obs.: trepadeira que produz flores com cor de carne e odor de peixe podre, atraindo moscas varejeiras. Estas entram na flor em busca de alimento, ficam presas por um tempo e acabam auxiliando no processo de polinização (dentro da flor existem pêlos virados para baixo, que não permitem a saída da mosca até que o pólen seja liberado pela planta). É abortiva e tóxica, índios usavam para envenenar flechas (substância aristoloquina, que pode matar). Uso medicinal: estômago, rim, fígado, coração, febres, raiz contra picada de cobra. O nome "mil-homens" foi dado pois o sanitarista Carlos Chagas utilizou esta planta para tratar operários ferroviários contaminados por um tipo de malária.

Posologia: Adultos: 10 a 20ml de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluidos em água; 2g de erva seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) de cascas e raízes em decocção até 3 vezes ao dia; Banhos (orquite, doenças da pele): 50g de raízes para cada 1000ml de água; Dermatoses: extrato seco das cascas sobre a area afetadaou compressas do decocto das raízes.

Farmacologia: Os aristolactanos do Angelico possuem atividade antitumoral contra diversas linhagens de células neoplasicas, aumentam a eficiência do sistema fagocitario e inibem o crescimento de varias bactérias in vitro. Os princípioss amargos aumentam as secreções digestivas, facilitando a digestão; Os extratos possuem atividade hipotensora, fluidificante das secreções respiratórias, antiinflamatória e sedativa. Tem efeito opsonizador, eliminando agentes patogênicos;

Toxicológia: O ácido aristoioquico possui atividade mutagenica e carcinogenica em estudos in vitro. Ha comprovações em estudos, de efeito teratogenico em ratos. Essas reações ocorrem apenas no uso destas substâncias isoladamente e em doses imensamente elevadas as doses encontradas nos extratos do cipo mil-homens; Mesmo assim, recomenda-se que esta planta não seja usada por mais de 30 dias sem intervalo. Alguns autores recomendam a interrupção por períodos iguais ao uso.

Cipó Mil Homens


Ajude Plantas Que Curam a difundir a saúde pela natureza, divulgando nosso site nas redes sociais.

Nosso site é um serviço oferecido de forma gratuita, mais se caso você desejar contribuir com nosso trabalho, pode fazer uma doação pelo sistema pagseguro do Universo On-line.