Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

COROA DE CRISTO

Euphorbia milii

Descrição : Da família Euphorbiaceae. Diz a lenda que com ela tenha sido usada para confeccionar a abominável coroa de espinhos colocada em Jesus Cristo.

É uma planta medicinal, porque sua casca e sua raiz são adstringentes, encerram tanino e são empregadas no curtimento de couros.

Seu fruto é tido como diurético, antidiarreico e antileucorreico. Suas sementes têm propriedades peitorais e seus espinhos são aproveitados na Europa para enfiar os figos que devem ser conservados secos. É planta muito elegante, de fácil multiplicação e crescimento vagaroso.

Conhecida também como argalou, na França. Aqui no Brasil é também conhecida por espinho-de-cristo, espinho-de-judeu e espinho-. Na Itália é conhecida pelos nomes de marruca bianca, soldino, spin bolognese e spino cervino.

Esta é a espécie cientificamente denominada Paliurus australis Gaertn., da família das Ramnáceas, é um arbusto rarissímo medindo até 4m de altura, às vezes arborescente, com folhas alterno disticadas, pecioladas, obliquamente ovais, agudas 3-nervadas, finamente crenadas, saliente nervadas, glabras e com dois espinhos fortes, agudos, um reto e outro curvo, na base de cada folha.

As folhas são pequenas, amareladas, de cálice rotáceo e 5-partido, dispostas em racimos compostos, pequenos axilares; seu fruto é samaroide globoso, quase alado, castanho amarelado.

Produz madeira dura e elástica que serve para carvão para pólvora. Muito usada também para a confecção de bengalas.

Parte tóxica : Todas as partes da planta.

Origem : É originária da Síria e muitíssimo cultivada no Brasil, como ornamental, principalmente no Rio de Janeiro.

Propriedades : Látex irritante, adstringente, diurético, antidiarreico e antileucorreico.

Indicações : Puramente ornamental.

Princípios Ativos : taninos.

Tratamento: Lesões de pele: cuidados higiênicos, lavagem com permanganato de potássio 1:10.000, pomadas decorticóides, anti-histamínicos VO. Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico. Analgésicos e antiespasmódicos. Protetores de mucosa (leite, óleo de oliva). Casos graves: corticoides. Contato ocular: lavagem com água corrente, colírios antissépticos, avaliação oftalmológica.

Toxicologia : Seiva leitosa causa lesão na pele e mucosas, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, dor em queimação e coceira; o contato com os olhos provoca irritação, lacrimejamento, edema das pálpebras e dificuldade de visão; a ingestão pode causar náuseas, vômitos e diarreia.

Coroa de Cristo

Dieta  de 21 dias