Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

ERVA DOS BURROS

Oenothera biennis

Investigado na Inglaterra desde os anos 80, o óleo de onagra é rico em ácidos gordos essenciais ômega-6 e pode ser útil em vários problemas inflamatórios, tais como problemas menstruais, artrite reumatoide e eczema. Julga-se que bloqueia os processos inflamatórios atuando de dois modos diferentes.

Descrição : Planta da família das Onograceae, também conhecida como estrela da tarde, onográcea, prímula, onagra, zécora, canárias. Possui flores de cor amarela enxofre, folhas verdes alongadas, atinge a altura de um metro ou pouco mais.

Habitat: Nativa da América do Norte.

História: A Oenothera biennis não deve ser confundida com a ornamental Prímula spp. também conhecida popularmente como prímula. As flores da Prímula são amarelo dourado e da prímula estrela-da-tarde são amarelo-claro. A segunda, também tem indicações medicinais, porém mais no âmbito das afecções respiratória e pesquisada quanto á sua eficácia. Planta originária da América do Norte, já era utilizada pelos índios americanos para evitar infecções nos ferimentos e, agora, está sendo considerada um dos melhores recursos da fitoterapia para combater a tensão pré-menstrual. Da América do Norte a planta foi levada para a Inglaterra em 1619. Seu cultivo expandiu-se pela Europa e Ásia, mas não há cultivo no Brasil.

Parte utilizada: Óleo extraído das sementes e planta inteira (sem raiz).

Origem: América do Norte. Sendo transplantada em 1919, para a Itália, onde as suas primeiras sementes germinaram num jardim de Pádua.

Princípios Ativos: Ácido gamalinolênico (GLA), fitosterol, onoterina, taninos , compostos flavônicos, mucilagens, ácido palmítico, ácido esteárico, ácido oleico, beta sitosterol e citrostadieno.

Propriedades medicinais: Adstringente, antialérgica, anti-inflamatória, ativadora dos linfócitos T, demulcente, emoliente, inibidora da síntese de prolactina, reguladora da circulação sanguínea e reguladora do tônus muscular.

Indicações: Cólica, diarreia, reações alérgicas de pele, asma, dor, dor peitoral, eczema, colesterol, esclerose múltipla, dor de nervo causada por diabete, feridas, nervosismo, psoríase, síndrome pré-menstrual, tosse, tosse asmática. Óleo: sintomas de tensão pré-menstrual (TPM), redução das dores de artrite reumatoide, tratamento de disfunções na pele, tratamento e prevenção de doenças cardíacas, alergias, esclerose múltipla, depressão e hiperatividade.

Problemas de pele: Menos concentrado que o óleo de borragem mas com efeitos terapêuticos semelhantes, o óleo de onagra é um suplemento útil para eczema e dermatite. É considerado seguro para crianças pequenas. Tome internamente durante vários meses e aplique nas áreas da pele afetadas.

Distúrbios menstruais: Estudos demonstram que o óleo de onagra pode aliviar a síndroma pré-menstrual, sobretudo quando há tensão mamaria ou dores menstruais. Conjuga-se bem com um suplemento de vitaminas B.

Inflamação: O óleo de onagra pode ajudar na doença inflamatória crônica, aliviando os sintomas nas articulações e nos músculos, por exemplo, na artrite reumatoide. Pode também ajudar a aliviar o problema dos olhos secos e a deficiente secreção cutânea na síndrome de Sjogren.

Nota: O ácido gamalinolênico (GLA) extraído do óleo da planta é normalmente produzido pelo organismo humano pela conversão do ácido linoleico ingerido pela alimentação. No entanto, alguns fatores como estresse, colesterol elevado, diabetes, insuficiência hepática e alguns medicamentos, entre outros, inibem essa formação, o que pode acarretar distúrbios no organismo, como aumentar a agregação plaquetária e levar a inflamações, má produção deprolactina, má regulação do tônus muscular e aumentar a susceptibilidade a doenças cardíacas.

Uso pediátrico: Nutracêutico.

Uso na gestação e na lactação: Informação sobre o uso do óleo de prímula durante a gravidez e a amamentação é escassa, porém ambos os ácidos linoleico e o AGL são naturalmente presentes no leite materno. É razoável assumir que o consumo do óleo de prímula durante o período de lactação não é prejudicial.

Contraindicações/cuidados: Não usar na gravidez e lactação. Usar com cautela, ou não usar, se tiver história de ataques epilético ou usa medicamento que faz ataques epiléticos mais prováveis. Somente dê a criança hiperativa sob estrita supervisão médica. Em pessoas com epilepsia, o óleo de prímula pode induzir convulsões pois tende a baixar o limiar convulsígeno.

Posologia: O óleo de prímula foi administrado por via oral nos ensaios clínicos em doses entre 6 e 8 g/dia para adultos e 2 e 4 g/dia para crianças. O conteúdo típico de GLA no óleo esta entre 8 a 10%. Como um suplemento nutritivo, a dosagem diária máxima recomendada é de aproximadamente 4 gramas do óleo, o que contêm entre 300 e 360 mg de AGL. Quando usado dentro da dosagem recomendada, o óleo de prímula como um suplemento dietético é considerado seguro.

Modo de usar:

- Infusão: 1 colher de chá das flores secas, com 1 xícara de água. Beba uma 1 xícara por dia, de cada vez; pode ser adicionado xarope de tolu ou capilária (avenca)

- Tintura: beba 5 a 40 gotas/dia, conforme necessidade.

Erva dos Burros

Farmacologia: As variedades selvagens da Oenothera biennis contém quantidades altamente variáveis de ácido linoleico e de AGL, entretanto, o cruzamento extensivo entre espécies produziu uma variedade comercial que consistentemente rende um óleo com 72% de ácido linoleico e 9% de AGL. Também são encontrados os ácido cis-6,9,12-octadecatrienóico, e em pequenas quantidades os ácidos ácidos oleico, palmítico e esteárico, esteróides, campesterol e beta sitosterol. Mucilagem e os taninos nas partes da planta também foram encontrados; Em teoria, o AGL presente pelo óleo de prímula pode ser diretamente convertido para ácido dihomo-gama-linolénic (ADGL), que é o da prostaglandina. Assim o consumo do óleo de prímula pode ser benéfico a pessoas incapazes de metabolizar o ácido cislinoleico para AGL ou com um baixo consumo dietético de ácido cislinoleico.

Porém, uma suplementação com AGL não foi provada em aumentar a quantidade de ADGL. Nenhum estudo farmacocinético que investigue esta possível relação entre os ácidos em seres humanos saudáveis foi realizado; Uma revisão de 3 ensaios clínicos randomizados e controlados sugeriu que óleo de prímula pode melhorar os sintomas da neuropatia diabética. As dosagens nestes ensaios variaram de 360 a 480 mg de GLA diariamente. Poucos efeitos colaterais foram notados e não houve nenhum aumento no nível da glicose no sangue; Os ácidos graxos essenciais são importantes como elementos celulares estruturais e como precursores de prostaglandinas. Os ácidos graxos essenciais são as partes biologicamente ativas das gorduras polinsaturadas e não podem ser sintetizados pelo corpo.

Estes ácidos precisam ser consumidos através da dieta em quantidades relativamente grandes; Para mulheres entre 19 e 30 anos de idade, o consumo recomendado de ácido linoleico e ácido alfa linolênico são de 12ge 1.1 g respetivamente. Os ácidos linoleico e linolênico também são chamados popularmente de ômega 6 e ômega 3, respectivamente. Várias revisões de ensaios clínicos randomizados sugerem que há pouca evidência para suportar o uso do óleo de prímula para sintomas vasomotores menopáusicos ou para a tensão pré-menstrual. Uma meta análise dos estudos disponíveis ainda não foi realizada, mas um protocolo foi publicado pelo grupo de colaboração de Cochrane, porém os resultados ainda estão pendentes; A sociedade norte-americana da menopausa não apoia o uso do óleo de prímula para o alívio das ondas de calor, devido a falta de dados sobre a eficácia do óleo; Alguns investigadores sugerem que o óleo de prímula pode ser benéfico no controle da mastalgia cíclica, mas há pouca evidência para apoiar este uso. Um estudo randomizado e controlado não encontrou nenhum benefício do óleo de prímula na mastalgia quando comparado com o controle; Uma revisão de Cochrane de ensaios clínicos randomizados usando o óleo de prímula comparado com placebo, sugere que existe algum benefício no uso do óleo de prímula para a artrite reumatoide, apesar da qualidade relativa inferior dos estudos individualmente. Uma tendência para a redução da rigidez matinal, redução das articulações doloridas, e redução da dor em geral foi observada. Os investigadores encontraram evidências o suficiente para que ensaios maiores e mais conclusivos sejam realizados, para determinar a dosagem e a duração ideal terapia.

Estes resultados também foram encontrados em outras revisões, especialmente a respeito da duração eficaz da terapia; Um estudo randomizado, duplo cego e controlado por placebo recente, que envolveu 90 pacientes com a síndrome de Sjorgen primária não encontrou nenhuma diferença significativa no cansaço dos pacientes com uma dosagem elevada após 6 meses de terapia; Outros estudos, primariamente em animais e seres humanos saudáveis, discutem o racional teórico para o efeito de AGL em doenças inflamatórias; Apesar de uma base teórica válida para o uso do óleo de prímula em pacientes com esclerose múltipla, há uma falta de evidências para substanciar seu uso. Não houve nenhum ensaio clínico novo desde os anos 80. Uma revisão de 3 estudos observou que a progressão para a desabilidade é mais lenta e os relapsos, em severidade e duração, foram melhorados. Porém um estudo, não incluído na revisão, não mostrou nenhum efeito; Inúmeras revisões e ensaios clínicos randomizados apresentam poucas evidência para o uso do óleo de prímula na dermatite atópica. Muitos dos estudos são de baixa qualidade e não são imparciais; Enquanto uma revisão sugeriu resultados promissores, uma meta análise mais detalhada foi incapaz de estabelecer a eficácia do óleo de prímula contra a dermatite atópica.

Um protocolo que busca avaliar os efeitos do uso oral do óleo de prímula e do óleo de borragem para tratar os sintomas da eczema atópica foi publicado pela colaboração de Cochrane, mas os resultados ainda estão pendentes.

Não há nenhuma evidência recente que concorde com os resultados de estudos mais antigos, que sugerem que o óleo de prímula reduz a agregação de plaquetas. Um estudo observacional sugere que ácido linoleico no sangue pode proteger contra o derrame isquêmico.

Apesar de antigos estudos clínicos limitado e dos numerosos estudos em ratos e coelhos, não há nenhum ensaio clínico randomizado e controlado recente que demonstra um efeito benéfico do óleo de prímula nos níveis de colesterol ou lipídios no sangue. Nenhum efeito na função endotelial ou no tom vascular foi encontrado em um ensaio clínico randomizado e controlado de suplementação com óleo de prímula. O interesse atual no óleo de prímula está m seu uso para melhorar o desempenho intelectual de crianças.

Este uso ainda precisa ser validada por pesquisas rigorosas; Os estudos conduzidos em crianças com dislexia sugerem uma melhora na leitura, soletração e o comportamento, enquanto uma revisão sistemática de Cochrane e um estudo a longo prazo (39 meses) não mostraram nenhum benefício para crianças que foram alimentadas com fórmula suplementada com os ácidos graxos de longa cadeia polinsaturados. Os resultados do um estudo discordam sobre o efeito do óleo de prímula na síndrome do olho seco, e há uma preocupação sobre a quantidade elevada de ácido linoleico e linolênico no olho e o risco de desenvolvimento da catarata; Estudos toxicológicos em animais e o uso extensivo do óleo de prímula por muitos anos não revelaram nenhuma evidência de toxicidade.


Dieta  de 21 dias