Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

FITOLACA

Phytolacca decandra

Planta muito utilizada na medicina popular, usada no combate da artrite e também com propriedades laxantes e depurativas.

Descrição: Planta da família das Phytolaccaceae, também conhecida como caruru-de-cachos, caruru-açi, erva-dos-cachos, erva-de-laca, espinafre-macio, uva do Canadá, tintureira-vulgar, fitolaca americana, uva-turca, vinagreira, tinturer, uva-dos-passarinhos.

A fitolaca é um arbusto perene vigoroso que pode crescer até 4m de altura, possui um caule ereto e avermelhado, com folhas grandes que se afinam nas extremidades; suas flores são brancas e numerosas, e estão formadas em cachos, cada uma com 5 pétalas arredondadas, e se desenvolvem em cachos de bagas suculentas e negras.

Seus frutos amadurecem no outono.

Partes utilizadas: raiz, folhas e frutas (FONTES, 100)

Habitat: Nativa do leste da América do Norte e naturalizada extensamente na Europa, Índias Ocidentais e Ásia. Cresce espontaneamente em todo o Brasil, a fitolaca é uma planta comum encontrada em áreas abertas, campos, ao longo de cercas e florestas limitadas.

História: As folhas e raízes da fitolaca são largamente usadas na medicina popular; As folhas pequenas e novas da fitolaca são enlatadas e vendidas comercialmente sob o nome de "poke salet." O suco das bagas têm sido usado como tinta, pigmento, e como um agente de coloração para vinhos.

Indicação: Artrite e reumatismo crônicos, obesidade, alimento, edema, câncer de pele, dismenorreia, sífilis; dermatofitose, sarna e seios doloridos antes da menstruação. (EGISTO, 75)

Uso na gestação e na lactação: Gestantes devem evitar o consumo. A fitolaca possui uma ação estimulante ao útero e componentes tóxicos. Esta erva é também conhecida por afetar o ciclo menstrual.

Princípios ativos:

Saponinas triterpenicas: geninas - fitolacagenina, ácido jaligonico, ácido fitolacagenico, ácido fitolacinico, ácido esculentico; fitolacosideos A, B, D, E, e G, e fitolacasaponinas B, E, e G;

Triterpenos livres: Proteínas antivirais da fitolaca (PAP - pokeweed antiviral proteins).

Raiz: Esteróis: a-espinasterol; Proteínas mitogênicas. Sementes: Lignanas: americaninas A, B, e D, ame-ricanol A, isoamericanol A; Ésteres; Éteres metilicos; Peptidio antifungal com 4 kD, PAFP-s; Proteínas antivirais da fitolaca (PAP - pokeweed antiviral proteins).

Frutas: Proteínas; Enzimas proteases de cisteina: fitolacainas G e R; As lectinas C, D1, e D2 ligam-se a quitina.

Propriedades Medicinais: depurativa, antiobesidade, anti-inflamatória, antirreumática. antiemética, purgativa, antiedematosa, anticancerígena. parasitas e outras condições da pele, emenagoga.

Efeitos colaterais: Distúrbio gastrointestinal, possivelmente gerando uma toxicidade severa, pode ocorrer com a ingestão das folhas maduras, frutas não cozidas e raízes.

Posologia: Em doses de 1 g, a raiz seca da fitolaca possui ação emética e purgativa: Em doses menores, de 60 a 100 mg dia, a raiz e as bagas foram usadas no tratamento do reumatismo e para a estimulação do sistema imunológico. Entretanto, não há nenhum ensaio clinico que suporte estes usos ou doses.

Toxicologia:

Todas as partes da fitolaca são tóxicas, sendo as folhas novas que aparecem no início da primavera à única exceção; As maiores concentrações de princípios venenosos são encontradas nas raízes, em quantidades menores nas folhas maduras e nos caules, e a concentração mais baixa é encontrada nas frutas.

As folhas novas, quando coletadas antes de adquirirem uma cor vermelha, são comestíveis se fervidas por 5 minutos, enxaguando-as e tornando a ferver novamente.

As bagas são tóxicas quando cruas mas comestíveis quando cozidas; A ingestão de partes venenosas da planta pode causar uma cólica severa do estômago, náusea com diarreia e vômito persistente, respiração lenta e difícil, fraqueza, espasmos, hipotensão, convulsões severas, e morte. Porém, a ingestão de menos de uma fruta crua é geralmente inofensiva a adultos.

Diversos investigadores relataram mortes de crianças após a ingestão de bagas cruas ou ingestão do suco de fitolaca. Envenenamentos severos foram relatados em adultos que ingeriram as folhas maduras da fitolaca e também após a ingestão de uma infusão produzida com meia colher de chá da raiz da fitolaca em pó; Um caso de toxicidade em campistas que ingeriram brotos de folha corretamente cozidos foi relatado pelo centro de controle e prevenção de doenças.

Dezesseis dos 51 casos exibiram sintomas agudos (vômito seguido por qualquer dos 3 sintomas seguintes: náusea, diarreia, cólicas do estômago, vertigem, dor de cabeça).

Estes sintomas persistiram por até 48 horas (tempo médio, 24 horas). Envenenamento também pode ocorrer quando os componentes tóxicos entram no sistema circulatório através de cortes e abrasões na pele. Os sintomas de envenenamento brando duram geralmente 24 horas. Em casos severos, a lavagem gástrica, indução ao vômito e o tratamento sintomático e de suporte foram sugeridos. O FDA classifica a fitolaca como uma erva de segurança indeterminada que demonstrou efeitos narcóticos.

Fitolaca

Farmacologia: Os componentes tóxicos da planta são as saponinas triterpênicas; As saponinas também estão presentes em culturas celulares; Inúmeras proteínas da fitolaca foram estudas por diversas razões; Proteínas miogênicas com a habilidade de ligar carboidratos específicos (di-N-acetilqultobiose) foram encontradas e isoladas das raízes da fitolaca há décadas; Medicinalmente, o grupo de proteínas da fitolaca mais interessante é o das proteínas antivirais da fitolaca (PAP - pokeweed antiviral proteins).

Isoformas diferentes das PAP estão presentes nas sementes e em folhas em estágios diferentes do crescimento. Todas as proteínas possuem aproximadamente em massa e são homólogas às proteínas inativadoras dos ribossomos, tal como a ricina; As proteínas antivirais da fito laca (PAPs) foram estudadas extensivamente por sua atividade antiviral e seu mecanismo bioquímico.



Estas enzimas são capazes de remover enzimaticamente o anel purínico da adenina (A4324) e também diversos outros resíduos do RNA ribossômico através de uma atividade específica de RNA N-glicosidase. A consequência desta atividade em células vivas é cessação da síntese de proteínas.

As proteínas estão presas à parede celular da planta e não intervierem com os ribossomos nas células da planta enquanto a célula permanece intacta. Algumas Isoformas das PAPs podem também depurar oRNA viral do vírus H1V1, o que obstrui a replicação do vírus dentro das células anfitriãs, uma propriedade que não é compartilhada por todas as proteínas inativadores de ribossomos.

A ricina, por exemplo, é inativa como um agente antiviral, mas as PAPs são ativas contra uma grande variedade de vírus botânicos e animais, incluindo o pohovírus, o herpes simplex, o vírus da gripe, o citomegalovírus e o HIV. Especificidade da ação contra RNA viral e não contra o RNA da célula anfitriã parece ocorrer pela habilidade das PAPs em ligar-se ao capacete (cap.) do RNA.

Mostrou-se que a ligação à cap. do RNA e a depuração do rRNA, podem ocorrer independentemente devido a uma mutação de um resíduo de asparagina conservado, que obstrui a depuração do rRNA mas não a ligação ao capo, o mesmo estudo mostrou que a PAP é retrotranslocada através do retículo endoplasmático para citosol celular.

As estruturas das PAP-1I1 e PAP-S. foram determinadas por cristalografia de raios-X de alta resolução, e estão disponíveis na literatura; A propriedade antiviral destas proteínas funciona como um microbicida para doenças sexualmente transmissíveis, tal como o HIV.

A PAPI não mostrou nenhum efeito adverso no sêmen usado para a inseminação artificial em coelhos, e os filhotes nascidos da inseminação com sêmen tratado eram inteiramente normais: Do mesmo modo, nem os espermatozódes, nem as células epiteliais do canal vaginal humano foram afetadas adversamente pelas PAPs. Como um microbicida tópico, a PAP seria administrada vaginamente em uma preparação de gel.

Consequentemente, as PAPs foram avaliadas em um estudo subcrônico e reprodutivo com 13 semanas de duração que avaliou a toxicidade em camundongos. Nenhum efeito adverso na mucosa vaginal ou no sucesso reprodutivo foi encontrado com a avaliação de vários parâmetros; Entretanto, nos coelhos, uma irritação vaginal de intensidade moderada a marcante foi notada em alguns animais, porém a intensidade deste efeito adverso não foi dependente da dose; É preciso enfatizar que os estudos acima foram conduzidos usando proteínas purificadas e que os extratos brutos da fito laca não podem ser substituídos na terapia por causa de suas propriedades tóxicas agudas; As saponinas mostraram uma atividade anti-inflamatória em um modelo murínico de edema da pata em doses 10 vezes mais baixas do que a DL, porém a toxicidade das saponinas impossibilita seu uso contra a inflamação; O esterol alfa-espinasterol foi isolado como um princípio ativo; Algumas das neolignanas da fitolaca promovem o crescimento axonial em culturas de neurônios corticais de ratos; Os extratos da fitolaca possuem efeito inibitório em um modelo de nefropatia diabética;

Os envenenamentos por fitolaca eram comuns no leste da América do Norte durante o século 19, especialmente pelo uso de tinturas como preparações antirreumáticas e pela ingestão das bagas e das raízes que eram confundidas com a pastinaga, a alcachofra de Jerusalém ou a raiz-forte

Bibliografia :

EGISTO, Eduardo., Medicamentos Homeopáticos de A a Z: Sintomas de A a Z., 2. Edição, 2015.

FONTES, Olney Leite., Farmácia homeopática: teoria e prática., Editora Manole, 2001

Dieta  de 21 dias