Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

GUACO

Mikania guaco

Descrição : Da família das Asteraceae, trepadeira perene de folhas ovais, simples, suculentas e cheirosas e de inflorescência de cor branca. É também conhecida como cipó-catinga, cipó-sucuriju, erva-de-cobra e vaco. A planta se desenvolve como trepadeira arbustiva, lenhosa e sem gavinhas, com caule volúvel, cilindrício e ramoso. As folhas de cor verde brilhante, são opostas, pecioladas, codiformes, rígidas e quase triangulares, de bordo inteiro e com cinco a sete nervuras na base. Exalam um forte aroma quando são esfregadas ou partidas. As inflorescências são brancas e reúnem-se em pequenos buquês agrupados em belos cachos. Na época da floração, torna-se uma planta muito procurada pelas abelhas melíferas. Reproduz-se por sementes ou pelo plantio de estavas do caule, de preferência em terrenos arenosos e úmidos, áreas sujeitas a inundações e beiras de rio. Nasce também, nas matas e nos cerrados, adaptando-se bem ao cultivo doméstico. As folhas podem ser coletadas em qualquer época do ano, dando-se preferência ao período antes das floração, quando a planta apresenta maior teor de princípios ativos.

Partes utilizadas : Folhas.

Habitat: É nativo da América do Sul, vegetando espontaneamente na Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil, especialmente nas regiões sul e sudeste.

História: É usado pela população indígena e cabocla como antitóxico em regiões infestadas por ofídios venenosos e é largamente empregado na medicina doméstica. Faz parte da farmacopeia homeopática.

Plantio : Multiplicação: por sementes ou por estacas (ramos).

Cultivo: Planta brasileira, prefere terrenos areno argilosos e úmidos. Como cipó, exige locais para desenvolver-se como trepadeira. Em cultivo programado pode ser feito semelhante ao maracujá, em parreiras. As mudas formadas devem ir para o local definitivo até 6 meses de seu plantio.

Colheita: colhem-se as folhas a qualquer época do ano, dando preferência às folhas mais novas.

Modo de conservar : As folhas devem ser utilizadas frescas ou secas ao sol e guardada em sacos de papel e de pano.

Origem : América do Sul, vegetando principalmente na Argentuna, Paraguai, Uruguai e no Brasil, especialmente nas regiões Sul e Sudeste..

Propriedades : Diurético, béquico, expectorante, antirreumático, febrífugo, sudoríparo e depurativo.

Indicações : Fornece um chá perfumado e muito útil em casos de tosse e catarros.

Uso pediátrico: As mesmas indicações.

Uso na gestação e na amamentação: Não há Contraindicações a não ser as descritas a seguir.

Princípios Ativos : Flavonoides, cumarinas, terpenos, guacina, glicosídios, resinas e taninos .

Guaco

Modo de usar:

Estados gripais; febres; catarros bronquial; asma brônquica; antisséptico das vias respiratórias; reumatismos; em 1 xícara de chá, coloque 1 colher de sopa de folha fresca picada e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara de chá, 2 vezes ao dia.

Toses rebeldes ; coloque 2 colheres de sopa de folhas frescas picadas em 1 xícara de café de açúcar cristal. Leve novamente ao fogo brando, até o açúcar derreter. Tome 1 colher de sopa , de 2 a 3 vezes ao dia. Para crianças dar somente metade da dose.

Reumatismo; varizes; afecções pulmonares ; coloque 5 colheres de sopa de folhas picadas em 1 garrafa de vinho branco. Deixe em maceração 8 dias, agitando o líquido de vez em quando e coe. Tome 1 cálice de licor, de 2 a 3 vezes ao dia.

Úlceras; feridas; cicatrizante : coloque 1 colher de sopa de folhas frescas de guaco e 1 colher de sobremesa de rizoma de confrei, tudo bem picado, em 1 xícara de chá de água em fervura. Deixe ferver por 3 minutos e coe. Aplique no local afetado, com um chumaço de algodão, 3 vezes ao dia.



Toxicologia : O uso prolongado predispõe a acidentes hemorrágicos. também pode provocar vômitos e diarreia.

Contraindicações: Em pacientes com distúrbios da coagulação sanguínea e doenças crônicas do fígado.

Efeitos colaterais: Pode provocar acidentes hemorrágicos.

Posologia: Adultos: 10 a 30m I de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluídos em água; 4g de erva fresca (2 colheres de sopa para cada xícara de água) de folhas em infuso até 3 vezes ao dia, com intervalos menores que 12h para afecções reumáticas e como diurético. Vinho medicinal com 20g de ervas secas para cada 100ml de vinho branco não licoroso maceradas ao abrigo da luz por 7 dias e agitadas 2 vezes ao dia, após o que se côa o líquido para Uso na dose de 2 cálices ao dia; Xarope frio de tintura com mel e própolis ou infuso das folhas com leite morno para as afecções pulmonares; Suco da planta fresca, concentrado, Uso tópico sobre picadas de cobras e para fricções em dores reumáticas. Emplastro das folhas frescas (ou suco) sobre afecções da pele. Crianças tomam de 1/6 a Y2 das doses recomendadas para adultos.

Interação medicamentosa: Por ser rica em cumarinas, interfere no processo de coagulação sanguínea. Antagonista da vitamina K. Precauções: Evitar seu Uso em pacientes com distúrbios da coagulação sanguínea, em mulheres com menstruações abundantes, em patologias crônicas do fígado e por período superior a 3 meses.

Farmacologia: Pesquisas científicas isolaram um glicosídeo que dá origem a cumarina, responsável por seus efeitos antitóxicos, passagem nos processos de coagulação sanguínea. Naturalmente não se pretende substituir a administração do soro antiofídico. Mas sempre foi tradição indígena e cabocla o suco de guaco sobre picadas de cobras, principalmente acontecem no campo. Suas ações antialérgicas, anti-inflamatórias e bronco dilatadoras se confirmam por seus princípios ativos.

VEJA TAMBÉM EM NOSSO SITE :

Formulação Caseira de Vinho Medicinal de Guaco

Receita Caseira de Bala Caseira de Guaco.

Formulação Caseira de Guaco com Mel.

Xarope Caseiro de Assa Peixe com Guaco.

Dieta  de 21 dias