Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

MENTRASTO

Ageratum conyzoides

Descrição : Planta da família das Compositae, também conhecida como caatinga de bode, erva de São João falsa, celestina, erva de Santa Lúcia, mentraço, Elements, mentruz, picão-roxo, camará-opela. Trata-se de uma erva anual, pilosa, ramosa; caule colíndrico, até 1 metro de altura; folhas ovadas,crenadas; flores esbranquiçadas ou lilases, dispostas em capítulos e hastes em panículas; fruto tipo aquênio. Erva anual, bem ramificada e pilosa. As folhas são opostas, longo-pecioladas e ovaladas ou deltóideas. As flores são em capítulos corimbos paniculados, nas cores lilás, roxo azuladas ou brancas e aparecem nos meses de setembro e outubro. O fruto semente é um aquênio pequeno, de coloração escura, apresentando 4 ângulos. Sua reprodução é por fruto, e cultivadas, preferencialmente em terreno úmido, sombreados e férteis. É uma planta facilmente encontrada em terrenos baldios, pomares e lavouras. As folhas e flores podem ser colhidas quando do aparecimento dos capítulos florais. É muito aromática e de sabor amargo.

Partes utilizadas : Partes aéreas, principalmente frescas.

Origem : América do Sul, especialmente no Brasil.

História: É usado pela medicina popular em todos os lugares por onde se espalhou, inclusive África, Java, Malásia e Filipinas. É planta usada em rituais afro­brasileiros.

Modo de conservar : As folhas e as flores podem ser utilizadas frescas ou secas à sombra, em logar seco e ventilado. armazenar em sacos de papel, de pano ou em vido.

Propriedades : Antirreumático, antidiarreico, febrífugo, anti-inflamatório, carminativo, enemagogo.

Princípios Ativos : Resinas; Mucilagens; Ácidos: hidrociánico, linoleico AIcaIóides vaso-constrilores; Saponinas; Princípios amar· gos; taninos ; Óleos essenciais: a-pineno, B-pineno, mirceno, B-felandreno, sesquilelandreno, cadina-l,4-dieno, elernol, a e ?-terp;neno, r-cimeno, ocimeno, I3-cariofileno, eugenol, a-tujeno, benzaldeído, sabineno, sabineno­hidrato, Iimoneno, 1-8cineol, cis-B-ocimeno, terpinoleno, metil-eugenol, Iinalol, a-terpineol, citronelol, B, e d­elemeno, a-gurjuneno, a-cubebeno, a-copaeno, a­bergamoteno, a-humuleno, B-bouboneno, E·B-fameseno, germacrenoD, nerolidol, spatulenol, B-bisaboIeno, epóxido de cariofileno, alcaloides pirrolizidinicos: equinatina, Iicopsamina; Cumarinas: precoce no; Benzofuranos; Pig­mentos: 6,7 dimetoxi-2,2-dimetilcromeno, 6-dime­toxiagerattocromeno, 6-vinil-dimetoxiageratocromeno, agerato-cromeno. flavonoides: fridelina, n-hentriacontano, n-heptacosano, Iidedroflavona, nobiletina, n-nonacasona, quercetina, B- M sitosterol, estigmasterol, n-ticarcontano; O exocarpo de fruto contém fitomelano.

Indicação : Usado em casos de resfriados e cólicas menstruais. Popularmente usada em banhos pelas parturientes, para facilitar o trabalho de parto. Cólicas e gases intestinais, distensão do abdômen, cólica uterina; muco branco, resfriados, tosse, rinite alérgica, sinusite; Afecções das vias urinárias; Reumatismo agudo, artrose, contusões, dores musculares; diarreia crônica, fezes pastosas, disenteria; Caspa, úlceras crônicas; Suavizante e desodorizante dos cabelos; amenorreia, menopausa.

Modo de Usar

- pó das folhas bem secas e, bem peneiradas. Pode-se colocar em cápsulas gelatinosas de 200 mg. Tomar uma cápsula 2 ou 3 vezes ao dia. Pode, também, usar meia colherinha de café do pó misturado com mel, ou com água e açúcar 3 a 4 vezes ao dia;

- decocção de 4 a 6 g das folhas frescas (duas a três folhas). Tomar na dose 2 a 3 xícaras por dias: cólicas menstruais, resfriados, cólicas flatulências e uterinas, amenorreia, artroses, perfumar e suavizar o cabelos, caspa, beribéri, contusões, ferimentos abertos, infecções das vias urinárias; - cataplasma (uso externo), planta machucada, sobre as articulações: reumatismo;

- TM (tintura mãe) a 10%: 50 g das partes aéreas em 500 ml de álcool a 50% (misturar 250 ml de água em 250 ml de álcool absoluto). Deixar em maceração de 2 semanas. Prensar, deixar durante 48 horas e então filtrar.

- infusão de 1 xícara (das pequenas de cafezinho) da planta seca picada em ½ litro de água. Tomar 1 xícara (chá) de 4 em 4 horas: cólicas menstruais;

- tintura de 1 xícara (das pequenas de cafezinho) da planta fresca picada em 5 xícaras de álcool. Deixar por uma semana, espremer e filtrar. Tomar 10 gotas em água 2 vezes ao dia (cólicas) ou aplicar em massagens locais (reumatismo/artrose); - pó: 1 colher das de café, do pó em água ou suco de frutas para cada dose a ser tomada. Tomar 3 a 4 vezes no dia: artrose;

- decocção de 20 g da planta inteira em 1 litro de água. Deixe amornar e despeje numa vasilha para mergulhar os pés ou as mãos durante 20 minutos, 2 vezes ao dia ou usar em compressas: reumatismo e artrose, analgésica e anti-inflamatória;

- infusão de 1 colher de sopa da planta fresca em 1 xícara de água fervente. Abafe por 10 minutos e tome duas vezes ao dia.

- alcoolatura de uma xícara das de cafezinho da planta fresca para cada 5 xícaras de álcool. Tomar 10 gotas em água 2 vezes ao dia (cólicas) ou aplicar em massagens tópicas: reumatismo e artrose;

- infusão de 20 g da planta por litro de água. Tomar 4 a 5 xícaras por dia; - suco da planta fresca ou extrato da planta seca: inalação para renite e alergia, sinusite; hemorragias pós-parto; máximo 30 a 50 g da planta in natura ao dia.

Contraindicações/cuidados: a planta contém alcaloides pirrolizidínicos que são hepatotóxicos. Não ultrapassar as doses recomendadas. contraindicada para diabéticos. Os tratamentos longos devem ser interrompidos por uma semana a cada mês. Altas doses por longos períodos provoca hipertensão arterial.

DICAS DO HERBOLOGÍSTA.

Digestivo estomacal; cicatrizante; eliminador de gases intestinais; cólicas menstruais : em 1 xícara de chá, coloque 1 colher de sopa de folhas e flores picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara de chá de manhã, em jejum, e outra antes das principais refeições.

Dores reumáticas; dores localizadas; contusões : em uma panela de água fervente. coloque uma peneira, de modo que a mesma não toque na água e sobre a peneira um pano. Espalhe sobre o pano 3 colheres de sopa de folhas e flores frescas fatiadas e abafe. Mantenha no vapor até que a erva esteja morna. Retire o pano com a erva, e aplique na parte dolorida do corpo. Cubra com outro pano e deixe atuar durante 2 horas ou toda a noite.

Bronquites; tosses; catarros; gripes; febres: em 1 xícara de café, coloque 1 colher de folhas e flores picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos, coe e acrescente 2 xícaras de café de açúcar cristal. Leve ao fogo até dissolve 2 a 3 vezes ao dia. Para crianças das somente metade da dose.

Menopausa; cólicas menstruais; tensão pré-menstrual : coloque 3 colheres de sopa de folhas e flores picadas em 1 garrafa de vinho branco. Deixa em maceração por 7 dias, agitando o líquido da garrafa de vez em quando e coe. Tome 1 cálice de vinho, antes das principais refeições. No caso de cólicas e tensão pré-menstrual, deve ser tomado 10 dias antes do início da menstruação.

Mentrasto

Farmacologia: Várias pesquisas laboratoriais validaram vários usos do mentrasto na medicina popular; Estudos in vitro mostraram que os extratos da planta inteira têm ação bactericida contra Staphylococcus aureus, Bacillus subtilis, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa; Em estudos com animais foram demonstrados - relaxamento muscular e alívio sobre a dor, confirmando seu uso popular como antirreumático; Numa pesquisa feita com pacientes artríticos, aqui no Brasil, com o extrato aquoso da planta Inteira - 66% relataram diminuição da dor e inflamação e 24% relataram melhora na mobilidade após 1 semana de uso, sem efeito. colaterais; Pesquisas na África em 2003, confirmaram seu uso tradicional na cicatrização de feridas em estudos com animais; Em uma outra pesquisa, na índia, revelou que o Mentrasto protegeu cobaias de danos causados por radiação e preveniu a formação de úlceras. Ambas as ações de proteção celular foram atribuídas, em parte, a um efeito antioxidante notado no Mentrasto; Foi descoberto também que ele tem efeito inseticida, pela interferência com o ciclo reprodutivo de várias espécies de inseto; Estudos de toxidade crônica e aguda, com ratos, realizados no Brasil revelaram que o Mentrasto não apresenta toxidade nas doses recomendadas.

VEJA TAMBÉM EM NOSSO SITE :

Receita Caseira de Cataplasma de Mentastro.

Formulação Caseira de Vinho medicinal do mentrasto.

Formulação Caseira de Pó do Mentrasto.

Receita Caseira do Chá do Mentrasto.

Receita Caseira de Compressa de Chá do Mentrasto.

Posologia: Adultos:

: cápsulas de 200mg. Tomar 1 cápsula 2 ou 3 vezes ao dia ou Y2 colher de café (350mg) do pó em água 2 vezes ao dia para reumatismos; 10ml (10 gotas X 2) de tintura divididos em 2 doses diárias, diluídos em água em uso interno nas cólicas ou em massagens em articulações; 5g de planta seca ou 10g de planta fresca (1 colher de sopa para cada xícara de água) de partes aérea sem infuso ou decocto até 3 vezes ao dia, com intervalos menores que 12hs em uso interno para todas as indicações; 50g de planta fresca vaporizada ou pilada para emplastro em dores articulares, Contusões, feridas; 50g de planta fresca em infuso para banhos em extremidades atacadas por reumatismo; Suco de 20g da planta fresca ou 10 gotas de extrato líquido na água para inalação nas sinusites rinites;

Suco de 20g da planta fresca para - hemorragias pós-parto; Crianças tomam de 1/6 a Y2 dose, de acordo com a idade.



Dieta  de 21 dias