Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

MUTAMBA - PARA O CABELO

Guazuma ulmifolia

Descrição : Planta da família das Sterculiaceae, também conhecida como cabeça-de-negro, ibixuna, guaxina, pojó, chico magro, guaxima macho, coração negro. É uma árvore perenifália (as folhas caem depois de uma seca prolongada). As árvores maiores atingem dimensões próximas de 30 metros de altura e 60 centímetros de diâmetro na idade adulta. Seu tronco é reto a levemente tortuoso, curto, frequentemente ramificado a baixa altura. Sua ramificação á dicotômica. A copa é densa e larga, tipicamente umbeliforme; com galhos horizontais e ligeiramente pendentes, com as folhas agrupadas em duas fileiras ao longo dos ramos. Sua casca tem espessura de até 12 mm. A superfície da casca externa é grisácea a café escuro, acanalada, áspera, agrietada longitudinalmente, se desprende facilmente em placas retangulares ou em tiras. A casca interna é fibrosa, rosada, com estrias brancas. Sua folhas são de filotaxia alterna, simples, ovalada ou lanceolada, com 5 cm a 18 cm de comprimento e 2 cm a 6 cm de largura, membranácea, mais ou menos aguda no ápice, com a margem levemente denteada ou crenada, a face dorsal pilosa, tomentosa com pelos estrelados em ambas as faces, especialmente sobre nervura principal e com três ou às vezes cinco nervuras que saem desde a base, glabra e luzidia quando velha. Sua flores são pequenas, alvo amareladas, medindo de 5 mm a 10 mm de comprimento, ligeiramente perfumadas, com cinco pétalas. Seu fruto: é uma cápsula subglobosa, seca, verrucosa, verde a negra, dura, de 1,5 cm a 3,5 cm de comprimento, abrindo-se em cinco segmentos que se fendem no ápice ou irregularmente por poros. O fruto contém, em média 46,6 sementes (PAIVA & GARCIA, 1999) imersas numa polpa doce e mucilaginosa.

Partes usadas: casca, folhas, raízes.

Propagação : Pode ser estabelecida por semeadura direta ou plantio de mudas, de raiz ou tocos de mudas de raiz nua. Sementes exigem escarificação antes do plantio. Despeje água fervente sobre as sementes, deixá-los de molho por 30 segundos e, em seguida, escorra a água (Dunsdon et al. 1991). Para sementes frescas, a germinação ocorre em 7 à 14 dias a uma taxa de 60-80%. As mudas estão prontas para plantio, quando atingem uma altura de 30-40 cm (cerca de 15 semanas). Para tocos de raiz, as plantas são deixadas na creche durante 5-8 meses ou até atingirem um diâmetro do caule de 1,5-2,5 cm. Há entre 100.000 e 225.000 sementes por quilograma (Vallejo e Oviedo 1994, Lorenzi 1992, Dunsdon et al. 1991).

Origem : América tropical.

Distribuição : É encontrada no Caribe, México, América Central e Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Brasil. Tem sido cultivada na Índia há mais de 100 anos. Foi introduzida recentemente para a Indonésia.

Propriedades medicinais: Adstringente, sudorífera, tônico capilar.

Princípios ativos : ariofileno, catequinas, farnesol, friedelina, ácido caurenóico, precoceno I, procianidina B-2, procianidina B-5, procyanidin C-1, e sitosterol, taninos .

Indicações: Afecção parasitária (couro cabeludo, pele), ameba, sífilis, úlcera. A bebida de sementes esmagadas embebido em água é usado para tratar diarreia, disenteria, gripes, tosses, contusões e doenças venéreas. Também é utilizado como diurético e adstringente (Vallejo e Oviedo, 1994). Queda de cabelo e calvície

Contraindicações/cuidados: Use com cautela e sob supervisão do médico se você tem uma doença cardíaca. Aumento do número de evacuações ou diarreia pastosa em intestinos com tendência à diarreia.

Superdosagem: Doses elevadas ou uso prolongado podem causar náuseas, vômito e disenteria; Caso ocorram, além das medidas usuais para intoxicação, o tratamento sintomático para - vomito, cólica e diarreia, deverá ser instituído e dieta zero.

Toxicologia: Recomenda-se estrita observação das doses terapêuticas recomendadas. A Mutamba é considerada tóxica em uso extemo, provavelmente peta presença de saponinas; Seu uso deve ser supervisionado por profissional gabaritado.

Efeitos colaterais: dose elevada pode provocar náusea, vômito, disenteria.

História : Mutamba é chamado guasima ou guacima no México, onde ele tem uma história muito longa de uso indígena. Os índios Mixe nas planícies do México usavam uma decocção das cascas secas e frutas para o tratamento de diarreia, hemorragia e dor uterina. Os Maias Huastec do nordeste do México empregam a casca fresca fervida em água para ajudar no parto, na dor gastrointestinal, asma, diarreia e disenteria, ferimentos e febres. Curandeiros maias na Guatemala ferviam a casca em uma decocção para tratar a inflamação do estômago e estômago regular. A mutamba era uma planta mágica para os antigos maias, que também é usada contra a "doença mágica" e malefícios. Na Amazônia, os povos indígenas têm usado há muito tempo a mutamba para a asma, bronquite, diarreia, problemas renais, e sífilis. Eles usam uma decocção de casca topicamente para a calvície, a lepra, Dematosis e outras condições de pele.

Posologia:

Adultos: 10 g de entrecascas frescas ou 5g de entrecascas secas (1 colher de sopa para cada xícara de água) em decocto 2 vezes ao dia, com intervalos menores que 12hs, em uso interno como antissifilítico, depurativo, desobstruente do fígado; O mesmo decocto é empregado topicamente nas afecções da pele; As entrecascas frescas, maceradas em água são utilizadas para o couro: O extraio glicólico a 5% é utilizado em fitocosmética e shampoos e loção capilar; A entrecasca é usada para preparar xaropes; Crianças de 2 a 5 anos; 2ml 3 vezes ao dia. às refeições; De 5 a 8 anos: 3ml 3 vezes ao dia. às refeições; De 8 a 12 anos: 4ml 3 vezes ao dia, às refeições;

Crianças: posologia por peso corporal: 0,4ml/Kg/dia com intervalos menores que 12hs. Interação medicamentosa: Pode ser rica em salicilatos. potencializa a ação da aspirina e outros anti-inflamatórios que bloqueiem a ação das prostaglancinas e dos antifertilidade-plaquetários.

Contribuição ao Estudo Farmacognóstico da mutamba (Guazuma ulmifolia - Sterculiaceae) Karen Janaína GALINA 1; Cássia Mônica SAKURAGUI 2; Juliana Cristina BORGUEZAM ROCHA 3; Emi Rainildes LORENZETTI 2; João Carlos PALAZZO DE MELLO

Longevidade de sementes de mutamba (Guazuma ulmifolia Lam. – Sterculiaceae) no solo em condições naturais - Scielo - Revista Brasileira de Sementes.

Mutamba - Guazuma ulmifolia- Embrapa. Paulo Ernani Ramalho Carvalho.

Mutamba


Dieta  de 21 dias