Plantas Que Curam - O seu guia de Plantas Medicinais na Internet

BENEFÍCIOS DO OREGANO

Origanum vulgare

Também conhecido como manjerona silvestre, o orégano é um condimento aromático, muito utilizado na cozinha européia e que possui propriedades medicinais.

Descrição : Planta da família das Labiadas, também conhecida como manjerona rasteira, manjerona silvestre e oregão.

Herbácea que cresce em tufos rastejantes de 40 a 6O cm de comprimento. Raízes são adventícias, produzem um caule pubescente, quadrado e de cor púrpura, com folhas ovadas opostas , com pequenas depressões.

As hastes desfolham-se na parte inferior; Delicadas flores avermelhadas ou róseas, em ramalhetes curtos e concisos, protegidas por folhas arroxeadas, possuem dois lábios e florescem de julho a outubro; As folhas exalam aroma à menta; Há varias espécies diferentes de Origanum: compactum, dictamnus, e onites.

A subespécie hirtum do Origanum vulgare, tem um sabor picante, com folhas muito pubescentes e flores brancas.

Habitat: O orégano comum ou selvagem é uma planta perene que cresce na região Mediterrânea e na Ásia, sendo muito cultivado em todo o mundo.

História: O orégano é um ingrediente comum em pratos espanhóis, mexicanos, e italianos; É uma especiaria e um agente flavorizante por centenas de anos. Sua maior utilização é como digestivo e estimulante circulatório; O orégano é usado em perfumaria, especialmente como essência para sabonetes e por seus óleos voláteis; Suas qualidades anti-sépticas e medicinais são conhecidas desde a antiguidade, as tentativas de caracterizar a química destas propriedades no laboratório datam do início do século 20.

Partes utilizadas : Folhas frescas ou secas.

Propriedades : Sedativo, antiespasmódica, béquica, carminativa, antireumáticas.

Indicações : Combate a tosse, as doenças do pulmão, as dores musculares; Afecções estomacais: indigestão, gases, cólicas, enjoo; Cetaléias e queixas nervosas; Afecções respiratórias, dores articulares e musculares; Dor de dente; Repelente de formigas; Anti-bacteriana, fungicida, antioxidante; Agente estrogênico.

Uso pediátrico: As mesmas indicações possíveis. Uso na gestação e na lactação: O orégano é classificado como planta segura. A segurança e a eficácia do orégano em doses acima das recomendadas não foi estabelecida, portanto as gestantes devem evitar quantidades acima daquelas encontrada em alimentos.

Princípios Ativos : Óleo essencial (timol e carvacol), Ácidos oleanólico e ursólico; Flavonóides; Hidroquinonas; Ácido rosmarínioo; Tanínos; Glicosídeos fenólicos; Fenóis polares: ; Tocoferóis.

Modo de usar : Infusão de uma colher de sopa em uma xícara de chá de água. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia. É um condimento aromatizante, pode ser usado em armários e gavetas para perfumar e repelir insetos.

Contra-indicações: Nenhuma contra-indicação foi identificada. O orégano é reconhecido com seguro para o consumo humano. Sensibilidade alérgica é rara, mas já foi relatada.

Posologia: Como tempero, ad libidum; Adultos: 10 a 20ml de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluídos em água; 2g de erva seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) em infuso até 3 vezes ao dia em intervalos menores que 12hs; O óleo essencial é usado em Artomaterapia; A planta fresca pode ser usada na preparação de óleos e alinimentos.

Efeitos colaterais: Embora o orégano seja consumido frequentemente, há poucos relatórios na literatura de efeitos adversos ou de reações sistémicas; Um relatório comenta o caso de um paciente que teve uma reação anafilática após o consumo de orégano: prurido, inchação dos lábios e língua, disfagia, disfonia, dificuldade respiratória superior, hipotensão, e edema facial e palpebral, que ocorreu alguns minutos após a ingestão de um alimento contendo orégano; Sensibilidade cruzada com outros membros da família Laminaceae também foi observada; Em um estudo, 55 pacientes com dermatite de contato foram testados usando um fito com preparações das especiarias testadas. Quatro pacientes testaram positivo para o orégano.

Estudos científicos: Resultados sobre o efeito aperitivo do orégano - Em um pequeno estudo (n = 54), os voluntários receberam uma refeição de massa com molho de tomate, com a palatabilidade ajustada pela adição de 3 níveis de orégano: agradável, saboroso, e forte. A adição de uma pequena quantidade de orégano aumentou a palatabilidade e o consumo da refeição, enquanto a adição excessiva de orégano tendeu a reduzir o consumo da massa.

Toxicologia: Nenhuma toxicidade severa foi relatada com o con-sumo do orégano, exceto por um caso de anafilaxia

Oregano

Farmacologia: Os componentes do óleo com ação antioxidante são o timol e carvacrol; Concentrações elevadas de tocoferóis, que possuem propriedades antioxidantes, também são encontradas no extrato; Ervas com propriedades antioxidantes têm sido usadas como estabilizadores da gordura a fim aumentar o tempo de conservação dos alimentos. O atocoferol protege alimentos contra danos por radicais livres, o que possibilita seu uso como um agente na prevenção da auto-oxidação de alimentos: Um estudo sobre a ação anti-fungal do orégano, comparou os efeitos do orégano em si, contra àqueles produzidos pelos fenóis presentes no óleo essencial, timol e carvacrol. Todos os três inibiram completamente o crescimento dos fungos das espécies Aspergillus e Penicillium; Os óleos voláteis do orégano demonstraram uma atividade anti-bateriana contra uma grande quantidade de micro-organismos gram-positivos e gram-negativos incluin-do a Listeria, Pseudomonas, Proteus, Salmonella, e o Clostridium. Esta ação parece ser causada pela estrutura fenólica dos compostos - timol e carvacrol. Dependendo da concentração usada, estes agentes são conhecidos por ser batericidas ou bacteriostáticos. O orégano parece poder inibir organismos em concentrações de menos de 2% (v/v); O Origanum compactum é usado no Marrocos como um espas-molítico, preparado como um chá das flores e folhas da planta. Experiências in vitro usando a acetilcolina em preparações do músculo liso para produzir a con-tração, demonstraram a ação espasmolítica rápida do Origanum compactum. Acredita-se que a erva estabiliza a membrana do músculo interferindo com o influxo de cálcio e suas proteínas reguladoras. Os componentes ativos do Origanum compactum parecem ser timol e carvacrol presentes no óleo essencial. Não há nenhum estudo clínico sobre os efeitos do orégano, com exceção de seus efeitos aperitivos e antiparasitas. A bioactividade da progestina e atividade antiespasmódica do orégano foram apenas estudadas in vitro. Todas as atividades antioxidantes, preservativas, e antimicrobiais foram pesquisadas em laboratórios; O orégano foi usado tradicionalmente para aliviar cólicas abdominais em mulheres e para regular o ciclo menstrual. A composição e a bioactividade, in vitro, de progestinas botânicas foi estudada em várias ervas. Encontrou-se que o orégano liga-se a sítios de estrogênio e progesterona, resultando em um efeito agonista e antagonista (ou neutro), respetivamente. A erva seca (2 g) contém 8 mcg de progesterona. Concluiu-se que do orégano pode ser esperado produzir efeitos estrogênicos suaves através do consumo em alimentos; O orégano seco e seus vários extratos foram estudados por muitos anos como inibidores da auto-oxidação. Estudos mostraram que os extratos do orégano possuem efei-tos antioxidantes na banha que pode em parte ser atribuída à presença de óleos essenciais; Nos alimentos, os radicais livres causam a auto-oxidação ou ranço oxidativo. O orégano foi capaz de atrasar o início do ranço. Um relatório na literatura compara as propriedades antioxidantes de todas as ervas mediterrâneas, o alecrim e o orégano apresentaram os melhores níveis antioxidantes e produziram um efeito estabilizante no óleo de azeite; As aflatoxinas são metabólitos fúngicos que contaminam muitos produtos alimentarés. Há uma ocorrência natural de aflatoxinas em géneros alimentícios de origem cereal, especialmente quando são armazenados durante longos períodos. Vários estudoss buscaram determinar se ervas e especiarias possuem qualquer propriedade antifungosa. Nestes estudos, várias espécies de Aspergillus foram incubadas com diferentes ervas e especiarias como substrato. O orégano inibiu a aflatoxina e impediu o crescimento do Aspergillus em concentrações tão baixas quanto 0,1 %; O óleo do Origanum vulgare foi capaz de erradicar parasitas comuns em gali-nhas e faisões. Num estudo clínico pequeno realizado nos Estados Unidos, 14 pacientes com parasitas confirmados foram administrados 200 mg de óleo emulsionado de Origanum vulgare por 6 semanas. Os parasitas Entamoeba hartmanni, Endolimax Nana, e Blastocystis hominis foram erradicados de 13 pacientes.





Indique nosso site para um amigo.