Plantas Que Curam - O seu guia de Plantas Medicinais na Internet

PROPRIEDADES MEDICINAIS DA QUINA

Cinchona calisaya, Cinchona officinallis

Descrição : Planta da família das Rubiáceas, tambêm conhecida como chichona vermelha, casca eruana e casca dos jesuitas. São conhecidas como quina a casca que cobre o tronco e as ramificações dessa árvore. Existem várias espécies da família da Rubiáceas, tais espécies são ricas em quinino, indicado no tratamento da malária. Arbustos e árvores sempre-verdes que chegam a alturas de 15 a 30 metros. (o regiões da A cápsula oblonga da semente mede aproximadamente 3 cm de comprimento e, quando maduras, racham na base.) Cada cápsula contém 40 a 50 pequenas sementes que são tão claras e tão leves que é necessário aproximadamente 75000 sementes para obter 30 g. Mais além, estas árvores são encontradas em cultivo na África e no Sudeste asiático; O principal composto químico, a quinidina é encontrada em todas as espécies citadas acima, da Familia Rubiaceae.

Habitat: Áreas montanhosas e tropicais das Américas central e do Sul, incluindo Bolívia, Costa Rica, e Peru.

História: Acasca do tronco da Chinchona, tem sido usada por séculos para o tratamento da malária, febre, indigestão, doenças da boca e da garganta, e o câncer; Seu nome é homenagem à condessa de Chinchon, esposa de um vice-rei do Peru, que foi curada em 1638 de uma febre com uso da casca; O uso formal da casca no tratamento da malária foi estabelecido em meados do século XIX quando os Ingleses iniciaram o cultivo mundial da planta para assegurar sua disponibilidade, pois a planta corria perigo de extinção em algumas regiões devido à colheita predatória de populações selvagens.

Parte utilizada: Folhas, casca da raiz, casca dos ramos, casca do tronco.

Propriedades : Febrífugas, antimaláricas, tonificante, adstringente e cicatrizante.

Indicações : Suas propriedades terapêuticas estimulam as funções intestinais, gástricas e hepáticas.

Uso na gestação e na lactação: Contra-indicado durante a gravidez devido a efeitos adversos sobre o feto e por ser um agente abortivo. Uma revisão sobre a segurança do uso de drogas antimaláricas durante a gravidez mostrou que as doses (antimaláricas) padrão de quinina não apresentam nenhuma evidência de aumento no risco de aborto ou de nascimento prematuro; A quinina é excretada no leite materno, mas quantidades insignificantes são ingeridas pelo bebé. Doses elevadas de quinina podem causar a estimulação uterina nas mulheres grávidas e a surdez e hipoplasia do nervo ótico em crianças.

Principios Ativos : Alcalóides, taninos, essências e princípios amargos e Quinino

Contra-indicações/cuidados: gestantes, nutrizes, crianças. Doses elevadas, pode provocar dores de cabeça, tontura, surdez e irritação gástrica.

Posologia: Como antimalárico, em doses de 325 mg a 1 g como um sal de sulfato; As doses clássicas da casca bruta da árvore eram de aproximadamente 1g (1 colher de café para cada xícara de água) em decocto, várias vezes ao dia, para todas as indicações.

Interação medicamentosa: Amantadina; Em um estudo randomizado e cruzado, a administração de uma única dose oral de 200 mg de quinina diminuiu a depuração renal de uma única dose oral de amantadina (3 mg/kg), aumentando a concentração no piasma. em homens mas não em mulheres; Carbamazepina: O efeito de uma única dose oral de 600 mg de quinina na farmacocinética de uma dose oral de 200 mg de carbamazepina foi estudado em 6 voluntários saudáveis. Comparado com a administração de carbamazepina sozinha, a administração de quinina aumentou a área sob a curva de concentração plasmática (AUC) da carbamazepina e a também aumentou sua concentração plasmática de pico em 51 % e 36,5%, respectivamente; Relaxantes musculares não despolarizantes; Um paciente com 47anos de idade recebendo quinina (em doses diárias de 1800 mg) desenvolveu uma recurarização após a reversão da anestesia e administração de pancurônio (6 mg); Fenobarbital: O efeito de uma única dose oral de 600 mg de quinina na farmacocinética de uma dose oral de 120 mg de fenobarbital foi estudado em 6 voluntários saudáveis. Comparada com a administração do fenobarbital sozinho, a administração de quinina aumentou a AUC do fenobatbital e a concentração plasmática de pico em 45% e 35%, respectivamente; Varfarina: Não há nenhum relato de interação ocorrendo com a coadministração da quini-na e da varfarina. Porém, em voluntários saudáveis, a administração de quinina (330 mg) prolongou o tempo da protrombina (formação em 5 a 11,8 segundos) e reduziu o índice da protrombina no sangue em um paciente que estava recebendo dicumarol (não disponível nos Estados Unidos). Uma interação similar pode ser esperada ocor-rer com a co-administraçào de qujnina e da varfarina.

Efeitos colaterais: A quinina exibe variações inteira e intra-individuais consideráveis em seu metabolismo e eliminação, com diferenças também observadas quando comparando pessoas saudáveis e pacientes com malária. Os efeitos adversos são diretamente relacionados à dose; Eventos cardíacos; Porque o quinino é relacionado a quinidina, a fibrilacão ventricular, a prolongação do intervalo QTc e a outros eventos cardíacos adversos podem ocorrer. A administração por via IV de quinina dentro de 72 horas da administração da mefloquina pode causar a prolongação do intervalo QTc. Recomenda-se uma monitoração cuidadosa de pacientes com histórico cardíaco quando os mesmos são administrados quinina; Cinchonismo: A ingestão destes alcalóides podem conduzir à síndrome clínica conhecida como cinchonismo. Pessoas que são hipersensíveis a estes alcalóides também podem desenvolver esta síndrome, que é caracterizada pela dor de cabeça severa, dor abdominal, convulsões, distúrbios e cegueira visual, distúrbios auditivos tal como tinido, paralisia e colapso; Desordens hematológicas: As doses terapêuticas de quinina conduziram à anemia hemolítica aguda, uma limitação de seu uso em pacientes que possuem uma deficiência da glucose-6-fosfato dehidrogenase. A quinina também foi associada com outras desordens hematológicas sérias tais como a agranulocitose, a coagulação intravenosa disseminada, a síndrome (de) urêmica hemolítica (HUS), a neutropenia (leucopenia), o pancitopenia com coagulopatia, e o trombocitopenia (o efeito adverso hematológico mais comum). Os pacientes podem apresentar apenas um ou diversas reações hematológicas adversas concomitantes. Duas mortes foram atribuí-das a trombocitopenia induzida pela quinina;

Reações de hipersensibilidade: A casca moída da Chinchona e a quinina foram relatadas causar urticária, dermatite de contato e as outras reações de hipersensibilidade. Estas reações também podem ocorrer com o uso de preparações tópicas que contenham extratos de Chinchona ou quinina; As reações de hipersensibilidade sistémicas podem ser apresentadas como HUS, com falha renal aguda e estimulação de sepse; Hipoglicemia: As crianças com malária severa frequentemente apresentam hipoglicemia. A quinina foi mostrada aumentar a secreção de insulina. A hipoglicemia induzida pelo quinina foi documentado em pacientes com e sem malária. A ação estimulante de liberação da insulina produzida pelo quinina pode ser amplificada na gravidez, agravando a hipoglicemia. Recomenda-se monitorar os níveis da glicose no plasma.

Toxicologia: A quinina e os alcalóides relacionados são absorvidos rapidamente pelo trato gastrointestinal, uma dose oral única de 2 a 8 g de quinina podem ser fatal a um adulto. O tratamento da overdose é geralmente de suporte. A acidificação urinária pode ser usada caso seja necessário. A quinina não é eliminado pela hemofiltração ou pela hemodiálise

Modo de usar:

- folhas em infusão: problemas urinários.

- sumo das folhas: prisão e dores de ventre. - folhas e casca em infusão: febre, dor de dente, sarampo, malária, estimulante do apetite, fadiga geral, diarréia, desinteira, dor de garganta, prevenção de gripe e resfriado, palpitações do coração, funções cardíacas, hemorróidas.

- cascas: convalescência. Uso externo: - folhas esfregadas contra o corpo: sarna. - folhas e casca em infusão : adstringente para a garganta.

Quina

Farmacologia: O componente principal desta mistura é a quinina. A quinidina é o isômero dextrorotatórío do quinina. Aproximadamente 35 outros compostos menores relacionados a quinina foram identificados na planta. Como regra geral, o Quinino amarelo (Chinchona ledgeriana) contém uma quantidade maior de alcalóides do que as outras variedades. Formulações comerciais do quinino contêm aproximadamente 10% de dihidroquinina como uma impureza; Os alcalóides da chinchona possuem um gosto extremamente amargo. As concentrações de 100 a 300 ppm são usadas para flavorizar bebidas tal como a água tónica. A água tónica contém aproximadamente 15 mg de quinina por garrafa. A quinina aparenta possuir uma atividade supressora do fator de necrose tumoral (TNF), como demonstrado em um pequeno estudo. Embora o uso do quinino para o tratamento da malária, em maior parte tenha sido suplantado por medicamentos antimaláricos semi-sintéticos, seu uso ainda persiste em algumas regiões do mundo; A casca de Chinchona contém aproximadamente 16% de alcalóides de quinoleína; A quinina é eliminada principalmente pelo metabolismo hepático e apenas uma pequena porção do composto é excretada inalterada pela urina. O citocromo P450 3A4 foi mostrado ser importante no metabolismo do quinina. Sete metabólitos foram identificados, sendo o composto 3-hidroxiquinina o metabólito principal. Em pacientes com falha renal aguda e que são contaminados com o Plasmodium falciparum, até 12% da atividade antimalárica é devida ao metabólito do 3-hidroxiquinina; Antimalária: A quinina está entre os alcalóides da Chinchona mais potentes contra a malária. Linhagens de Plasmodium resistentes à quinina foram identificadas. Um pequeno estudo invitro mostrou que um potencial uso do composto fenobarbital para parcialmente reverter à resistência a quinina. Antagonistas de cálcio e outros agentes (por exemplo, proclorperazina) estão sendo investigados com agentes reversores da resistência do Plasmodium falciparum a quinina. Vários antibióticos (arteminisa, l artemeter, clidamicina, doxiciclina, mefloquina) em l combinação com o quinina, estão sendo testados e usados para tratar linhagens resistentes de Plasmodium falciparum. Se a administração do quinina por via oral não for possível em crianças, eficácia pode ser atingida por vias alternativas (IM, intra-retal ou IV). Uma monitoração cuidadosa para reações adversas é recomendada, especialmente em crianças muito jovens que são mais suscetíveis à toxicidade pelo quinina. A combinação do quinina e da clindamicina tem sido usada com segurança e eficazmente na Tailândia para o tratamento da malária descomplicada; Antipirético: Acredita-se que a quinina possui uma ação antipirética. Quando administrada antes do acetaminofeno, a quinina produz uma redução mais rápida, do que quando administrada após o acetaminofeno. O quinina sozinho não teve nenhum efeito contra a febre; Câimbras nas pernas: Outra utilização comum da planta quinino esta no tratamento de câimbras nas pernas causadas pelo espasmo vascular. Por mais de 50 anos, a quinina, a quinidina, e a hidroquinina têm sido usados para impedir as câimbras musculares. Entretanto, devido a 157 reações adversas atribuídas a quinina que foram relatadas entre 1969 e 1992, a Agência de Medicamentos e Alimentos (FDA) concluiu que a quinina não é segura para o uso contra esta condição. Em 1994, o FDA proibiu a promoção do uso do quinina contra as câimbras noturnas nas pernas e interrompeu sua disponibilidade e rotulagem de produtos para este uso em medicamentos que requeiram ou não prescrição médica. Entretanto, uma busca rápida na Internet encontra uma multidão de preparações de quinina disponíveis e anunciadas como tratamento para as câimbras nas pernas; Outrosusos; A quinina é bacteriostática, altamente ativa in vitro contra os protozoários e inibe a fermentação da levedura; A quinina e a quinidina têm uma aívidade cardiode-pressante. Este último composto é usado por sua atjvidade antiarritmica; Uma mistura de quinina e cloreto de ureia é injetada como um agente esclerosante para o tratamento de hemorróidas internas, veias varicosas, e cavidades pleurais após toracoplastia; O quinina foi usado para reverter a resistência a múltiplas drogas em pacientes com leucemia aguda que mostram uma incidência maior na expressão da glicoproteína P nas células blastos. Uma taxa maior de cura e sobrevivência foi mostrada em pacientes tratados uma combinação de quinina e quimioterapia quando comparadas com a quimioterapia sozinha. Embora a ocorrência de efeitos colaterais seja maior, esta combinação exibe um grande potencial para o tra-tamento de leucemias agudas.





Indique nosso site para um amigo.