Plantas Que Curam - O seu guia de Plantas Medicinais na Internet

UNHA-DE-GATO, PLANTA MEDICINAL

Uncaria tomentosa

Planta trepadeira originária da floresta da Amazónia, a unha-de-gato tem, segundo os curandeiros locais, grandes propriedades terapêuticas; usan-na como panaceia para tratar desde asma e artrite a diabetes e câncer.

Descrição : UNHA DE GATO (Cat´s Claw) é uma das plantas medicinais peruanas de maior importância. No 1º Congresso Internacional desta espécie patrocinada pela Organização Mundial da Saúde (WHO), catalogou-se o redescobrimento desta planta amazônica como a mais importante descoberta desde o quinina, árvore peruana descoberto no século XVII.

A Unha de Gato é uma vinha de madeira larga e seu nome é proveniente dos espinhos em forma de gancho que crescem ao longo da vinha e envolvem a planta. Duas espécies próximas da Uncaria são utilizadas quase como substitutas nas florestas: U. tomentosa e U. guianensis.

Ambas espécies podem alcançar mais de 30 m de altura em seu topo, porém a U. tomentosa possui espinhos pequenos e flores branco-amareladas, enquanto que a U. guianensis possui flores laranja-avermelhadas e espinhos que são mais curvados

A Unha de Gato é uma planta indígena da floresta Amazônica e outras áreas tropicais da América do Sul e Central, incluindo Peru, Colômbia, Equador, Guiana, Trinidad, Venezuela, Suriname, Costa Rica, Guatemala e Panamá.

Existem outras espécies de plantas com um nome comum de Unha de Gato (ou uña de gato) no México e América Latina; porém elas são derivadas de uma planta completamente diferente - não pertencente ao gênero Uncaria ou mesmo à família da Rubiaceae. Muitas variedades da Unha de Gato mexicanas possuem propriedades tóxicas.

Ambas espécies de Uncaria sul americanas são utilizadas pelos índios da Floresta Amazônica de maneiras muito semelhantes além da longa história de uso. A Unha de Gato (U. tomentosa) tem sido utilizada medicinalmente pelas tribos dos Aguaruna, Asháninka, Cashibo, Conibo e Shipibo do Peru por pelo menos 2000 anos.

História: Conhecida na América do Norte como erva milagrosa da Floresta Tropical e Trepadeira-da-Vida peruana. A tribo indígena Asháninka da região central do Peru possui a história mais antiga registrada com relação ao uso da planta. Elas também são a maior fonte de Unha de Gato do Peru atualmente.

Origem : Floresta Amazônica e regiões tropicais da América so Sul e América Central, principalmente na Amazônia Peruana.

Propriedades : Analgésica, antiinflamatória, antimutagênica, antioxidante, antiproliferativa, antitumoral, antiviral, citoprotetora, citostática, citotóxica, depurativa, diurética, hipotensiva, imuno-estimulante, imunomodulatória.

Indicação

Infeções crônicas : Tonifica o sistema imunológico, sendo óptima para infecções crônicas e doenças degenerativas.

De preferência conjugada com outras ervas imunoestimulantes, pode ser útil para a fadiga crônica, fibromialgia, febre glandular e infecção por herpes. Testes no Peru sugerem que pode ser útil na infeção por HIV, sendo excelente para a convalescença.

Anti-inflamatório : A unha-de-gato tem uma forte ação anti-inflamatória e pode tratar com sucesso ulcerações gástricas e problemas inflamatórios nas articulações, tais como artritre reumatóide e ostroartrite.

Remédio anticancerígeno : De acordo com o seu uso tradicional na América do Sul, a unha-de-gato tem propriedades anti-tumores, sendo preciosa como tratamento adjuvante no câncer, ministrada com outras plantas medicinais apropriadas e por conselho de um profissional.

Principios Ativo : Acetoxidihidronomilina, ácido alfa-trihidroxi-ursenóico, carboxistrictosidina, ácido acetiluncárico, ácido adípico, alcalóides (especiofilina (uncarina D), isomitrafilina, isopteropodina (unicarina E), mitrafilina, pteropodina (unicarina C).

O uso pelas populações indígenas

Os Asháninka utilizam a Unha de Gato para tratar asma e inflamações do trato urinário; para recuperação do parto; assim como purificador dos rins; para cura de ferimentos profundos; para artrite, reumatismo e dor óssea; para controlar inflamação e úlceras gástricas; e para câncer.

Tribos indígenas em Piura utilizam a Unha de Gato para tratar tumores, inflamações, reumatismo e úlceras gástricas.

Tribos indígenas na Colômbia utilizam a vinha para tratar gonorréia e disenteria.

Outras tribos indígenas peruanas utilizam a Unha de Gato para tratar diabetes, câncer do trato urinário feminino, hemorragias, irregularidades na menstruação, cirrose, febres, abscessos, gastrite, reumatismo, inflamações; para lavagem interna e tumores; e para "normalizar o corpo".

A Unha de Gato também tem sido utilizada como contraceptivo por diversas tribos do Peru (mas somente em doses excessivas), conforme registrado. Dr. Fernando Cabieses, uma conhecida autoridade em plantas medicinais peruanas, explica em seu livro que os Asháninka fervem de 5 a 6 kg da raiz em água até a redução para um pouco menos que um copo.

A quantidade de um copo desta decocção é então tomada diariamente durante o período de menstruação por três meses consecutivos, o que supostamente causa esterilidade por três a quatro anos. Com tantos usos documentados de plantas desta importante floresta, não é surpresa que tenha chamado a atenção de pesquisadores e cientistas do ocidente.

O Estudo Botânico de Klaus Keplinger

Os estudos foram iniciados no início dos anos 70 , quando Klaus Keplinger, um jornalista e etnologista independente de Innnsbruck, Áustria, organizou o primeiro trabalho definitivo com a Unha de Gato.

O trabalho de Keplinger nos anos 70 e 80 levou os diversos extratos da unha de gato a serem vendidos na Áustria e Alemanha como fitoterápicos, 2-4 assim como o estimulou quatro patentes americanas, que descrevem procedimentos de extração para um grupo de princípios ativos chamados de alcalóides oxíndoles e a imunoestimulação destes alcalóides encontrados na Unha de Gato.5-8

Estes novos alcalóides despertaram interesse mundial nas propriedades medicinais desta valiosa vinha da floresta.

Outros pesquisadores independentes da Espanha, França, Japão, Alemanha e Peru seguiram Keplinger, muitos dos quais confirmaram sua pesquisa sobre a imuestimulação de alcalóides da vinha e da raíz.

Muitos destes estudos publicados a partir dos anos 70 ao início dos anos 90 indicaram que 2 frações inteiras dos alcalóides oxíndoles, casca da vinha inteira e/ou extratos da casca e raíz, ou ainda seis alcalóides oxíndoles testados individualmente, aumentaram a função imune em 50% em pequenas quantidades, relativamente.9-16

Pesquisadores canadenses da Universidade de Otawa documentaram que um extrato integral da vinha demonstrou um forte efeito imunoestimulante em 1999. 17 Pesquisadores peruanos independentes demonstraram que um extrato integral da vinha aumentou a função imune em ratos a uma dosagem de 400 mg/kg em um estudo realizado em 1998.18

Novos extratos contidos na Unha de Gato têm sido produzidos desde 1999 até os dias atuais, e os estudos clínicos publicados (financiados pelos produtores destes extratos) têm demonstrado que estes produtos continuam provendo a mesma estimulação imunológica benéfica conforme documentada há quase 20 anos.19-22

O que então foi importante para maior esclarecimento sobre a Unha de Gato, como acontece com pesquisas direcionadas para o mercado.

Um produtor de um extrato da Unha de Gato patrocinou um estudo sobre estes alcalóides imuno-estimulantes.

A pesquisa destes alcalóides indicou que supostamente, dois tipos diferentes de Unha de Gato (tipos químicos) crescem na floresta tropical e/ou que a Unha de Gato produz "alcalóides bons" e "alcalóides ruins". Isto sugeriu que os alcalóides oxíndoles "bons" são os pentacíclicos (POA) e os "ruins" são os tetracíclicos (TOA).

Sua pesquisa chamou a atenção para a correlação dos alcalóides "ruins" com os benefícios imunológicos dos alcalóides "bons".

Presumidamente a presença tão pequena quanto 1% de TOA na formulação da Unha de Gato poderia diminuir o efeito imunoestimulante em até 30%.

Esta pesquisa não foi confirmada por pesquisadores independentes (que são aqueles que não vendem a unha de gato ou que são pagos por companhias que vendem a unha de gato).

Isto poderia explicar todas as pesquisas independentes definitivas realizadas em décadas no Japão, Peru, Alemanha, Espanha e Estados Unidos (incluindo as quatro patentes destes mesmos pesquisadores).

Grande parte da pesquisa independente anterior foi realizada com extratos oxíndoles integrais e a raíz integral ou extratos da vinha. Esta pesquisa documentou a presença de ambos os tipos de alcalóides nas suas análises e extratos todos os quais apresentaram ações imuno-estimulantes.

A utilização destes deve ser descontinuada de uma semana a dez dias antes de qualquer procedimento cirúrgico importante. Dois alcalóides da unha de gato têm sido documentados com propriedades hipotensivas. Pessoas com baixa pressão arterial ou em uso de medicação antihipertensiva devem verificar com seu médico antes de iniciar a utilização desta planta e se permitido, utilizar com cautela.

O melhor a fazer é a monitoração da pressão arterial com ajustes de medicação necessários individualmente dependendo da quantidade de unha de gato administrada. A Unha de Gato requer ácido estomacal suficiente para ajudar o bloqueio de taninos e alcalóides durante a digestão e auxiliar a absorção.

Evite tomar cápsulas ou comprimidos da casca concomitantemente ao uso de anti-ácidos. Evite tomar extratos líquidos com alta concentração de taninos (coloração escura) diretamente pela boca e dilua primeiro em água ou suco ácido.

Altas dosagens de unha de gato (3-4 gramas de uma só vez) tem sido reportado como a causa de algumas dores abdominais ou problemas gastrintestinais, incluindo diarréia (devido à quantidade de taninos presentes na casca da vinha). Se a diarréia for leve, o uso pode ser continuado.

Descontinue o uso ou reduza a dose se a diarréia persistir por mais de 3-4 dias.

Uso pediátrico: Não há contraindicação, embora seja pouco provável seu uso.

Uso na gestação e na amamentação: Não deve ser usada durante a gestação nem a lactação.

Contraindicações: Pacientes transplantados, em uso de imunossu-pressores, inclusive receptores de transplante de medula óssea; Portadores de doenças autoimunes; Portadores de esclerose múltipla e tuberculose.

Posologia: Adultos: Cápsulas: 2S0 a 1 OOOmg diários; 10 a 20m I de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluídos em água; 8g a 10g de raízes ou entrecasca do cipó seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) em decoto, até 3 vezes ao dia (Herbal Medicine Handbook). 6g de raízes ou entrecasca do cipó seca (1 colher de sobremesa para cada xícara de água) em decoto, de uma única vez, pela manhã ou com o estomago vazio (PDR for Herbal medicines); Extrato liquido ou alcoólico: 1 a 3ml 3 vezes ao dia; A dosagem para crianças, caso seja necessário seu uso, deverá seguir os parâmetros usuais: de 1/6 a Y2 dose, de acordo com a idade.

Precauções: Em pacientes com história de úlcera péptica ou cálculos biliares devem usar esta planta com muita cautela pois ela estimula as secreções ácidas do estomago; Os níveis séricos de estradiol e progesterona podem baixar após mais de 2 meses de uso da planta (Rodriguez e cols, 1998).

Efeitos colaterais: Pode causar hipotensão e falência renal aguda.

Toxicologia : A Unha de Gato tem sido documentada clinicamente com efeitos imuno-estimulantes e contra-indicada antes ou após transplante de qualquer órgão ou de medula óssea, ou ainda de enxerto de pele. A Unha de Gato tem sido documentada com propriedades antifertilizantes e, portanto, é contra-indicada em mulheres que pretendem engravidar (este efeito porém, ainda não tem comprovação suficiente para ser utilizada como um contraceptivo e não pode ser administrado para tal). Unha de Gato também tem sido documentada com princípios ativos possivelmente redutores da agregação plaquetária e "afinador" do sangue. Em primeiro lugar, verifique com seu médico se você está utilizando coumadin (varfarina)ou outro anticoagulante.

unha de gato

Farmacologia: Os alcalóides - triterpenos, glicosídeos e procianinas têm notadamente efeito antiviral, antiinflamatório, U antioxidante, anti-neoplásico, contraceptivo e imunoestimulante; Os esteróides encontrados mostraram atividade anti inflamatória (Senatore e cois., 1989) assim como as procianinas - embora o componente exato não tenha sido determinado (Wirth & Wagner, 1997); Aicalóides derivados da Unha-de-gato induzem à produção de fatores de proliferação Iinfocitária em células endoteliais humanas (Wurm e cols., 1998). Eles mostraram aumento da fagocitose tanto em testes in vitro quanto em in vivo (Wagner e cols., 1985). Os extratos também mostraram efeito protetor celular contra o stress oxidadtivo (Sandoval, e cols., 1997a) em vários testes, e in vitro (Desmarchelier e cals., 1997); O extrato tomado com água, preveniu lesões à mucosa do jejuno de cobaias induzidas peia indometacina. Os níveis de metalotionina no fígado de cobaias que receberam extrato de Unha-de-gato com indometacina foram significativamente mais baixos que os que receberam apenas a indometacina (Sandoval-Ghacon a cols., 1998); Em testes com cobaias foi demonstrado efeito benéfico em enteropatia não-esteroidal (Sandoval e cols, 1997) e (Aquino e cols, 1991); O estrato aquoso inibiu a proliferação de células tumorais por apoptoseo em 2 linhagens células leucêmicas humanas diferentes (Sheng e cols., 1998). Também mostraram atividade citostática, mas as dosagens não foram estabelecidas (Rizzi e cols., 1993); A atividade antitumorais do extrato aquoso foi demonstrada in vitro em linhagens de células leucêmicas humanas e em linhagens de B-linfomas transformadas pelo EBV -vírus Epstein-Barr (Sheng e cols, 1998). O extrato aquoso parece interagir também com os receptores de estrogênio (Salazar & Jayme, 1998); A eficácia antioxidante do extrato foi demonstrada em um ensaio usando quimilumi-nescéncia induzida por terta-butilhidroperóxido em homogenatos de ligado de rato. Também houve prevenção de danos ao DNA mediados por radicais-livres (Desmarcheleir e cols., 1997); Os extratos não demonstraram efeitos mutagênicos mas ao contrário, mostraram efeito protetor anti-mutagênico in vitro contra foto-mutagênese induzida em Salmonella typhimurium (Rizzi e cols., 19993); A atividade antiviral da planta foi demonstrada: os glicosídeos ~ ácidos quinóvicos, têm eficácia contra o vírus de estomatite vesicular VSV mas não contra o rinovírus tipo 1 B - HRV 1 B em culturas de células HeLa (Aquino e cols, 1989). Em testes in vitro eles mostraram-se eficazes contra ambos os vírus (Aquino e cols., 1989); A hirsutina tem efeito anti-hipertensivo por sua capacidade de reduzir os níveis de cálcio intracelular e atividade bloqueadora dos canais de cálcio em aorta de ratos (Horie e cols., 1992); Há evidências limitadas da prevenção a gravidez pela Unha-de-gato. Ela tem sido usada com esta finalidade por anos pelas tribos peruanas, mas as doses da planta teriam que ser muito altas. Um decoto de mais de 4Kg de raiz é reduzido a 1 única dose que tomada à época da menstruação garantiria a esterilidade por 3 a 4 anos! (Cabieses, 1994). Foi demonstrada em laboratório atividade contraceptiva com o extrato, mas não foram estabelecidas as doses (Rizzi e cols., 1993); Em um estudo com cobaias, a rincofilina aumentou os níveis de serotonina no hipotálamo e córtex cerebrais e diminuiu os níveis de dopamina no córtex, amigdala e medula espinhal (Shi e cols., 1993); A dihidrocori-nantelna isolada de ramos e espinhos da Unha-de-gato mostrou que este alcaloide é um antagonista parcial dos receptores de serotonina (Kanatani e cols., 1985); A hirsutina tem efeito bloqueador ganglionar potente. Também bloqueia a liberação de dopamina induzida por nicotina em células de feocromocitoma de cobaias. Ela equivale em potencia ao hexametonio (Nakazawa ecols., 1991); O extrato estimula a produção de interleucina-1 e 6, pelos macrófagos alveolares. Sabe-se que a IL-1 e IL-6 são as responsáveis pelo início em cascata dos mecanismos de defesa imunológica. (Lemaire e cols., 1999). Alguns alcaloides oxindólicos isolados na Unha-de-gato - isopteropodina, pteropodina, isomitrafilina, isorinco-filina - aumentam marcadamente a fagocrtose in vitro (Wagner e cols., 1985); Os alcaloides pentacíclicos oxindólicos induzem à liberação do fator regulador da proliferação Iinfocitária em células endoteliais humanas. E os alcaloides tetracíclicos reduzem a atividade dos pentacíclicos de maneira dose dependente (Keplinger e cols., 1999; Wum e cols., 1985); Os extratos da casca do cipó também estimulam a produção de IL-1 e IL -6 - in vitro em macrófagos alveolares de cobaias de maneira dose-dependente e potencializam a produção de IL-1 e IL-6 em macrófagos estimulados por lipopolissacarideos (Lemairel e cols., 1999). Estudos clínicos: Um teste anti-mutagênico in vivo mostrou redução do potencial mutagênico ao final do tratamento. Dois pacientes tomaram decoto de Unha-de-gato todos os dias por 15 U dias (como é prescrito normalmente por curandeiros peruanos). Um dos pacientes era não fumante e o outrohavaia fumado 1 maço por dia por 15 anos. Ambos os voluntários tinham 365 anos e estavam em boas condições de saúde. Uma bactéria foi adicionada a amostras de urina para testar a mutagenicidade. Este teste determina quando há evidência de atividade mutagênica genética que possa levar a certos tipos de câncer. A urina do não fumante não apresentou atividade mutagênica antes, durante ou depois do tratamento com a planta. Em comparação, a urina do fumante tinha atividade mutagênica antes e esta diminuiu no final do tratamento (e) persistindo baixa 8 dias após o final do tratamento (Rizzi, 1993); Em outro estudo controlado 13 indivíduos HIV-positivos que se recusaram a receber outras terapias inseriram 20mg diários de extrato de raiz de Unha-de-gato (contendo 12mg de alcaloides oxindólicos pentacíclicos totais por grama) por 2,2 a 5 meses. O número total d leucócitos do grupo não se alterou em comparação aos valores pré-trata, menta, embora a contagem de linfócitos relativos e absolutos tenha aumentado significativamente; As taxas de células T 4/T"B não apresentaram mudanças significativas (Keplinger e cols., 1999).

Interação medicamentosa: A Unha-de-gato potencializa o efeito hipotensivo de medicamentos usados em pacientes hipertensos. Não deve ser usada simultaneamente com anti-hipertensivos; A Unha-de-gato inibe a ação da enzima cytocrome P4S0 3A4 in vitro. As drogas metabolizadas por esta enzima como alprazolam, atorvastatina, diazepam, sildenafil e warfarina terão seus níveis aumentados. Os níveis séricos e efeitos da droga deverão ser monitorados (Budzinski e cols, 2000); A Unha-de-gato contrapõe-se à ação dos imunossupressores usados nos portadores de doenças auto-imunes ou na prevenção à rejeição de órgãos transplantados (Reinhard,1999). Quando usado concomitantemente a inibidores seletivos da serotonina reuptake, pode levar à síndrome serotonínica; A droga deve ser tomada com alimento, o que aumenta sua absorção. Não há relatos de alterações em testes laboratoriais.




Ajude Plantas Que Curam a difundir a saúde pela natureza, divulgando nosso site nas redes sociais.

Nosso site é um serviço oferecido de forma gratuita, mais se caso você desejar contribuir com nosso trabalho, pode fazer uma doação pelo sistema pagseguro do Universo On-line.